República de Curitiba

Início » Uncategorized » MPF intima sindicato do Colégio Dom Pedro II a depor sobre proselitismo político

MPF intima sindicato do Colégio Dom Pedro II a depor sobre proselitismo político

Estatísticas do blog

  • 1,653,245 cliques
outubro 2016
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Facebook da Republica de Curitiba

magda

A professora Magda Furtado, coordenadora geral do Sindscope (Sindicato dos Servidores do Colégio Pedro II), publicou um vídeo nesta quarta-feira (19) em protesto à sua convocação pelo Ministério Público Federal (MPF). “O Ministério Público está tentando nos intimidar”, acusou. O órgão solicitou que ela e mais dois coordenadores prestassem esclarecimentos sobre o proselitismo político, ou seja, doutrinação para uma causa, praticado na escola que representam.

Para o MPF, acionado por pais de alunos da escola, não é atribuição do Colégio público do Rio de Janeiro, a defesa “explícita” de posições políticas, ideológicas e partidárias”. O procurador Fábio Moraes de Aragão destacou que “a adoção de atos que são estranhos à atividade de ensino da instituição iriam contra o princípio da moralidade da administração pública”.

No começo de outubro, Aragão determinou que as unidades dos colégios Pedro II em Realengo e Humaitá, no Rio de Janeiro, retirassem cartazes ‘Fora Temer’. A recomendação do MPF indicava que se a medida não fosse cumprida, os diretores iriam responder por improbidade administrativa e crime de prevaricação, podendo, ainda, sofrer a demissão.

O membro do MPF afirmou ainda que “o artigo 117, IX, da Lei no 8.112/90 proíbe que o servidor se valha do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública. Ora, percebe-se claramente que os cartazes referidos objetivam beneficiar pessoas que defendem certas agendas ideológicas”.

Segundo o movimento Escola Sem Partido, a escola pública não é um lugar que possa ser instrumentalizado para fazer proselitismo politico, ideológico e partidário. “Poucas vezes vi uma pessoa tão mal informada, talvez por isso mesmo esteja fazendo bravata com o Ministério Público”, registrou o grupo em sua página oficial do Facebook. E acrescentou:

“Seria bom que ela lesse o que dispõe o art. 117, V, da Lei 8.112/90 (Estatuto do Servidor Público Civil da União): 

Art. 117 – Ao servidor público é proibido:

V – promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto da repartição;”

 

Pais reagem

Os pais também se manifestaram nas redes sociais. “Estão deturpando o intelecto das crianças enquanto os pais esperam que os professores estejam instruindo aos seus filhos para tornarem-se pessoas de boa fé”,  protestou DW Diego Arruda.

Outro internauta, Thiago Gabriel Marques, escreveu: “Todo ente que vier a receber dinheiro público, e que é o caso do colégio em questão, deve-se manter neutro em relação às preferências políticas de seus professores e diretores, seja para ideologia político-partidária A, B, C, etc. Não é aceitável usar de um local público para professar, doutrinar e ainda se utilizar de alunos que estão em formação para que estes entrem em algo sem nem mesmo entenderem o completo teor.”

Naja Levy denunciou: “O pior que não é só ela na escola do meu filho. A professora não dá aula. Só fala do golpe da pec 241 e manda fazerem cartaz para fora temer e fora pec. Não podemos fazer nada nada, mesmo depois que reclamei ele já levou duas suspensão. ( ONDE VAMOS PARAR)…”

 

A instituição

Fundado em 2 de dezembro de 1837, o Colégio Pedro II é uma das mais tradicionais instituições públicas de ensino básico do Brasil.  Com quase 13 mil alunos, o colégio Pedro II oferece turmas desde a Educação Infantil até o Ensino Médio Regular e Integrado, além da Educação de Jovens e Adultos (Proeja). A instituição conta com 12 campi na cidade do Rio e outros em Niterói e Duque de Caxias, na Região Metropolitana.

Recentemente, o colégio virou tema de debates em redes sociais ao abolir oficialmente a distinção do uniforme escolar por gênero. Ou seja, não há mais especificação do que é um uniforme feminino e masculino. A decisão foi divulgada dia 19 de setembro e, segundo a escola, tem por objetivo manter a identidade e igualdade entre os alunos.

 

Veja o  vídeo e o posicionamento da Escola Sem Partido no link: https://www.facebook.com/escolasempartidooficial/?fref=ts

 


3 Comentários

  1. Marta disse:

    Que esses sindicatos tenham respeito com as famílias.

    Curtir

  2. Maria Madalena disse:

    O Pedro II já foi modelo, hoje em dia se eu tivesse filho em idade escolar, não ia querer que estudasse lá.

    Curtir

  3. Regina Onumb disse:

    Povo do Rio, tirem seus filhos do Pedro II e não votem no Freixo, se não os traficantes vão ser os futuros gestores do Rio.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

República de Curitiba

%d blogueiros gostam disto: