Para encobrir esquema de corrupção, Cabral e Eike miraram até na bolsa de Nova York

Posted by

Screenshot_2017-01-26-15-20-47.jpg

O esquema de corrupção e lavagem de ao menos US$ 100 milhões do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), atualmente preso em Bangu, teria envolvido até a compra de ações da Petrobrás, Vale e Ambev na Bolsa de Nova York. As suspeitas foram levantadas pela força-tarefa da Operação Eficiência, desdobramento da Lava Jato no Rio, ao pedir a prisão preventiva do empresário Eike Batista e outros investigados no esquema envolvendo o ex-governador em uma rede de propinas.

 

É a primeira vez, desde o início da Lava Jato, que os investigadores se deparam com este tipo de transação envolvendo a compra de ações em Bolsa. As empresas não são citadas na investigação. Sobre elas não recai nenhuma suspeita. Uma parte daquele montante, ou US$ 16,5 milhões, teria sido empregada na compra de ações. A propina passou por uma conta de Eike no Panamá e acabou custodiada em favor de Cabral no Uruguai.

 

“Não foi possívfel transferir os US$ 16,5 milhões, aí Sérgio Cabral pediu aquisição de ações em Bolsa, ações da Petrobrás”, disse o procurador da República Eduardo El Hage. “Acabou adquirindo ações da Ambev, Petrobrás e da Vale. Após foi feita a transferência dos valores para a conta no Uruguai.”

 

Dos US$ 100 milhões identificados pela Operação Eficiência como supostamente transferidos para Sérgio Cabral no exterior, US$ 22 milhões foram ocultos à ordem de dois operadores de propinas do ex-governador – US$ 7 milhões de Carlos MIranda e US$ 15 milhões de Wilson Carlos. “O resto (US$ 78 milhões) de Sérgio Cabral”, disse o procurador El Hage.

 

Ao detalhar a operação financeira para o pagamento dos US$ 16,5 milhões de propina de a conta de Eike no Panamá para uma conta dos operadores de Cabral no Uruguai, os delatores Marcelo Chebar e Renato Chebar, (que são irmãos e receberam a quantia de Eike no exterior) revelaram que, por indicação do então governador, foram adquiridas ações na bolsa de valores que pertenceriam, de fato, a Cabral, apesar de não estarem em seu nome.

 

Advertisements
Anúncios

Deixe uma resposta