Fachin se posiciona: “Foro privilegiado é incompatível com princípio republicano

Posted by

fachin

 

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, afirmou nesta sexta-feira, 17, ter uma posição “crítica” em relação ao foro privilegiado. Ele acrescentou que o STF deve debater o alcance do benefício, conforme proposto pelo ministro Luís Roberto Barroso nesta semana.

“Eu, já de há muito tempo, tenho subscrito uma visão crítica do chamado foro privilegiado por entendê-lo incompatível com o princípio republicano, que é o programa normativo que está na base da Constituição brasileira”, disse.

A proposta de Barroso para o plenário da Corte restringir a prerrogativa aos políticos foi elaborada a partir de uma ação penal contra o prefeito de Cabo Frio, Marquinhos Mendes (PMDB-RJ), acusado de compra de votos em 2008 e que posteriormente assumiu como deputado federal – essa condição levou o caso ao STF, tribunal onde deputados federais e senadores têm foro. “As diversas declinações de competência estão prestes a gerar a prescrição pela pena provável, de modo a frustrar a realização da justiça”, anotou Barroso ao afirmar que ‘o sistema é feito para não funcionar’.

Ao enviar a ação para o plenário, Luis Roberto Barroso também justificou argumentando com o congestionamento de processos no Supremo.

“A questão, todavia, que se coloca é saber se essa alteração pode ser feita por uma mudança de interpretação constitucional ou se ela demanda uma alteração própria do Poder Legislativo”, disse Fachin.

“Este é o debate que o Supremo vai enfrentar para saber se há espaço para interpretação, como, por exemplo, na proposta feita no sentido de que o foro compreenderia apenas os eventuais ilícitos praticados o exercício da função e não abrangeria os ilícitos praticados anteriormente”, disse Fachin, citando uma tese que é defendida pelo ministro Barroso e já foi defendida pelo ministro Celso de Mello no passado.

A Constituição Federal, no artigo 102, alínea B, diz que compete ao Supremo processar e julgar, nas infrações penais comuns, o presidente da República, o vice-presidente, os membros do Congresso Nacional, o procurador-geral da República e os próprios ministros do STF. Barroso defendeu que o STF limite o foro privilegiado a casos relacionados a acusações por crimes cometidos durante e em razão do exercício do cargo.

Advertisements
Anúncios

5 comments

  1. Nenhum politio deverá ter foro previligiado.Nem a partir de agora , porque quem fez fará. Então se o político não cumpriu as resposabilidades em outros cargos, não cumprirá na gestao ou cargo atual.Isto já faz parte de seu carater.

  2. EM 1964 QUANDO OUVE A REAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS! FÔI JUSTAMENTE PÔR ESTAS BAGUNÇAS E DESORDENS QUE VEM OCORRENDO NO NOSSO PAÍS! NÃO QUERO FALAR MUITO NAO, PORQUE TODOS JÁ SABEM QUAL É O OBJETIVO DO PT PMDB PCDOB PSOL PSDB E OUTROS, A DE NÓS BRASILEIROS SE NÃO FOSSE AS FORÇAS ARMADAS! DÊSDE 1964 NÓS BRASILEIROS ESTARÍAMOS NA MÊSMA VIDINHA QUE TEM A ANOS, CUBA VENEZUELA BOLÍVIA E OUTROS ! QUERO MÊU REGIME MILITAR! COM A VOLTA DÁ ORDENS RESPEITO HIERARQUIA DISCIPLINA SEGURANÇA EDUCAÇÃO SAÚDE E O PROGRESSO! E O ARTIGO 142 DAS FORÇAS ARMADAS BRASILEIRA! ACABA COM ESTA BAGUNÇA.

  3. Fim do foro privilegiado, porque não é melhor do que ninguém ….
    Se cometeu crime tem que ser punido, independente se é Presidente ou não …. Tem que ser extensivo a todos….

Deixe uma resposta