Defensoria vai à Justiça para que acapamentos do MST sejam permitidos em Curitiba

Posted by

mss
Depois de uma juíza do Paraná determinar, após pedido da Prefeitura de Curitiba, a proibição de montagem de acampamentos na cidade entre as 23h desta segunda (8) e as 23h da quarta (10), dia previsto que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva depõe ao juiz Sergio Moro, a Defensoria Pública do Estado apresentou um habeas corpus à Justiça, “em favor de coletividade que deseje exercer seu direito de ir, vir e permanecer nas ruas e praças da cidade de Curitiba”. Segundo MST, são esperadas 20 mil pessoas na quarta em Curitiba para apoiar Lula.

No pedido, a Defensoria diz esperar que a Justiça permita os acampamentos “a fim de evitar o constrangimento ilegal” e que “não sejam impedidos e nem multados nenhum cidadão que deseje ir, vir, permanecer e assim possa exercer a sua liberdade de expressão de pensamento nas ruas e praças da cidade de Curitiba possam o fazer, desde que de forma pacífica e organizada”.

A juíza Diele Denardin Zydek, da 5ª Vara de Fazenda Pública da capital paranaense, determinou multa de R$ 50 mil por dia em caso de descumprimento de sua decisão. Ela também proibiu a passagem de veículos não cadastrados em áreas próximas ao prédio da Justiça Federal, local do depoimento de Lula.

Os defensores públicos dizem que o objetivo do habeas corpus é garantir que “número indeterminado de indivíduos” possam se manifestar tanto a favor da Operação Lava Jato e do juiz Sergio Moro, quanto a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“A Lava Jato e a sua repercussão no cenário político têm ensejado o acirramento da polarização política […] o que é natural, desejável e deve ser de toda forma fomentado num Estado democrático de Direito, uma vez que o debate é fundamental para o fortalecimento tanto da democracia, das instituições do Estado, quanto das organizações da sociedade civil.”

Com a determinação da juíza, a coordenação nacional da Frente Brasil Popular se reuniu na manhã desta segunda (8) e decidiu manter a manifestação em Curitiba, “por entender que é Constitucional o direito de se manifestar”.

Em nota, a frente, que organiza as caravanas para acompanhar o depoimento do petista, diz repudiar a decisão. “Essas medidas são claras evidências da tentativa de restringir o direito à livre manifestação, que foi chamada de forma pacífica e transparente.”

 

Advertisements
Anúncios

5 comments

  1. A própria DEFENSORIA PÚBLICA está querendo vê sangue resultante dos confrontos, com a desculpa do direito de ir e vir.

  2. Prendam este salafrário, de uma vez por todas e, não permitam que, o STF, solte. Apliquem as leis corretamente, não à favor da cretinice, do comunismo e da corrupção. Tenham vergonha na cara!!!!

  3. PADRE CORAJOSO
    O Ministério Público Federal de São Paulo ajuizou ação pedindo a retirada dos símbolos religiosos das repartições publicas.
    Pois bem, veja o que diz o Frade Demetrius dos Santos Silva:

    ” Sou Padre católico e concordo plenamente com o Ministério Público de São Paulo, por querer retirar os símbolos religiosos das repartições públicas…
    Nosso Estado é laico e não deve favorecer esta ou aquela religião. A Cruz deve ser retirada!
    Aliás, nunca gostei de ver a Cruz em Tribunais, onde os pobres têm menos direitos que os ricos e onde sentenças são barganhadas, vendidas e compradas.
    Não quero mais ver a Cruz nas Câmaras legislativas, onde a corrupção é a moeda mais forte.
    Não quero ver, também, a Cruz em delegacias, cadeias e quartéis, onde os pequenos são constrangidos e torturados.
    Não quero ver, muito menos, a Cruz em prontos-socorros e hospitais, onde pessoas pobres morrem sem atendimento.
    É preciso retirar a Cruz das repartições públicas, porque Cristo não abençoa a sórdida política brasileira, causa das desgraças, das misérias e sofrimentos dos pequenos, dos pobres e dos menos favorecidos “.
    Frade Demetrius dos Santos Silva.
    * São Paulo/SP

    CORAGEM É CORAGEM…
    Verdades são verdades…
    PASSE ADIANTE… Se você tiver coragem

  4. @E o nisso direito de ir e vir que moramos aqui onde fica? Esses msm há mostrarão como agem em manifestações, sai baderneiros é violentos. A justiça ñ deve compactuar com essas gangues aqui na República de Curitiba

  5. Inaceitável que a cidade de Curitiba tenha que pagar esse preço por sediar o depoimento de um bandido.
    Se as pessoas não têm onde ficar, que voltem para as suas casas, seja a que distância for.
    Isso não é direito de ir e vir, é direito de invadir e depredar a cidade onde outros moram.
    Essa turba que apoia o Lula réu, jamais será pacífica, e têm provado isso constantemente em suas manifestações com quebradeiras, queima de pneus e interdição das vias públicas.
    Essa defensoria pública quer ver sangue!

Deixe uma resposta