“Cabral não é um criminoso comum”, afirma juiz Marcelo Bretas

Posted by

MB

 

No despacho em que autoriza a Operação Ratatouille, novo desdobramento da Lava-Jato, o juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, Marcelo Bretas, afirma que a corrupção sistêmica do ex-governador Sérgio Cabral provocou sérios abalos à democracia nacional.

E que a posição de chefe do poder executivo estadual exercida por Cabral faz seus atos ilícitos de Cabral serem muito graves se comparados aos de criminosos comuns.

 “…. considero que a gravidade da prática criminosa liderada por pessoa no exercício do cargo de Chefe do Poder Executivo do Estado do Rio de Janeiro (governador de Estado), e que durante muitos anos no Poder Legislativo do Estado do Rio de Janeiro (deputado estadual) e no Poder Legislativo da União (Senador) foi portador dos votos de confiança de muitos milhões de cidadãos neste Estado, não poderá jamais ser tratada com o mesmo rigor dirigido à prática criminosa comum”, escreveu Bretas.

“A crença na própria instituição do sufrágio universal , a confiança do povo brasileiro nos Partidos Políticos (artigo 17 da CF) e nos mandatários do Poder, os Governantes, são seriamente abaladas com a prática de atos ilícitos como os que são descritos pelo Ministério Público Federal”, conclui o juiz.

Fonte: Veja

Advertisements
Anúncios

2 comments

  1. Verdade, o juiz Marcelo Bretas tem razão. Cabral não cometeu crime comum, cometeu crime hediondo.
    Isso se aplica a Lula, Dilma e todos os seus aliados, não só do PT, mas também de conluio com outros partidos.
    Devem receber julgamento por crime hediondo, porque suas ações provocaram e ainda provocam a morte de milhares de brasileiros.
    A morte violenta de uma pessoa já nos diminui, imagine a morte de uma Nação!

  2. Cabral /Dilma /Lula e seus asseclas já deveriam estar pagando por todos seus assaltos ao erário público. Lamentável que essas quadrilhas sejam protegidas por instituições que tinham por obrigação RESPEITAR e PROTEGER sua bandeira e seu POVO.

Deixe uma resposta