Professora recebe socos após chamar atenção de aluno

 

Uma professora de uma escola do Vale do Itajaí, em Santa Catarina, foi agredida por um aluno após repreendê-lo. Marcia Friggi postou em sua conta no Facebook, um desabafo contando que recebeu socos de um estudante de 15 anos.

A confusão teria começado depois que a educadora pediu para o aluno colocar um livro em cima da mesa. “Eu coloco o livro onde eu bem quiser”, teria dito o adolescente. O caso aconteceu no Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja) da cidade.

A professora contou que o estudante a xingou e depois foi colocado para fora da sala de aula. Ao acompanhá-lo, ela teria recebido um série de socos. “Ele, um menino forte de 15 anos, começou a me agredir. Foi muito rápido, não tive tempo ou possibilidade de defesa. O último soco me jogou na parede”, disse a professora.

Leia na íntegra o desabafo da professora em sua página:

DILACERADA
Estou dilacerada. Aconteceu assim:
Ele estava com o livro sobre as pernas e eu pedi:
– Coloque seu livro sobre a mesa, por favor.
– Eu coloco o livro onde eu bem quiser.
– As coisas não são assim.
– Ahhh, vai se foder.
– Retire-se por favor.

Ele levantou para sair, mas no caminho jogou o livro na minha cabeça. Não me feriu, mas poderia. Na direção eu contei o que tinha acontecido. Ele retrucou que menti e eu tentei dizer:
– Como, menti? A sala toda viu…

Não deu tempo para mais nada. Ele, um menino forte de 15 anos, começou a me agredir. Foi muito rápido, não tive tempo ou possibilidade de defesa. O último soco me jogou na parede.

Estou dilacerada por ter sido agredida fisicamente. Estou dilacera por saber que não sou a única, talvez não seja a última. Estou dilacera por já ter sofrido agressão verbal, por ver meus colegas sofrerem. Estou dilacera porque dilacera porque me sinto em desamparo, como estão desamparados todos os professores brasileiros.

Estamos, há anos, sendo colocados em condição de desamparo pelos governos. A sociedade nos desamparou. A vida…
Lembrei dos professores do Paraná que foram massacrados pela polícia, não teve como não lembrar.

Estou dilacerada pelos meus bons alunos, que são muitos e não merecem nossa ausência.

Estou dilacerada, mas eu me recupero e vou dedicar a minha vida para que NENHUM PROFESSOR BRASILEIRA passe por isso
NUNCA MAIS. (Não sei se cometi erro ao escrever, perdoem. )

Participe da discussão

2 comentários

  1. Bem triste ver uma professora, solicitando um comportamento correto na sala de aula, ser agredida por um aluno covarde de 15 anos que vai ficar impune.
    Por outro lado, bem triste também perceber que uma professora não sabe redigir corretamente e fazer a defesa de seus atos e ainda pede perdão por ter escrito.
    Uma situação sórdida como essa teria que ter um discurso de grande indignação acompanhada de um boletim de ocorrência na polícia, porque ficar dilacerado é uma grande bobagem.
    Em vez disso ela ainda aproveitou para denegrir a polícia do Paraná sobre professores incitados por sindicatos pelegos.
    Quando o marxismo cultural foi implantado, sem escrúpulos na educação, em todos os níveis, recebendo total apoio e participação de professores militantes e o silêncio acovardado dos demais, todos sem exceção colaboraram ativamente para a destruição das mentes e do futuro dos nossos jovens.
    Analisando friamente, estão agora bebendo do próprio veneno e da própria omissão!
    Não aprenderam que quando você começar a bater, não pare mais, senão vai voltar a apanhar.
    Os criminosos sabem disso e os demais estão fazendo discursos suicidas, atirando no próprio pé.
    Podem se preparar se não mudarem de postura, para apanhar muito mais!

  2. Vejam no link abaixo a verdadeira face desta professora.
    Deve ensinar muita mer.. em sala de aula e bebeu do próprio veneno mesmo!

    PROFESSORA AGREDIDA POR ALUNO DIZ QUE OVADA EM BOLSONARO NÃO É AGRESSÃO!

    https://youtu.be/Ajij5KDrEXI

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: