Como Goiás investiu na militarização das escolas para vencer a violência

esc

 

No portão de entrada, o sequestro relâmpago de uma professora; na sala de aula, o assassinato de um ex-aluno; no banheiro, tráfico de drogas: esse era o retrato da escola Fernando Pessoa em Valparaíso (GO), que acendeu o alerta das Secretarias de Educação e de Segurança Pública de Goiás para os frequentes casos de violência na rede de ensino estadual.

Para combatê-los, o governo goiano, literalmente, chamou a polícia. Numa medida polêmica, a escola Fernando Pessoa, assim como outras 25, hoje, da rede estadual, passou por um processo de “militarização” do ensino, resultado de uma parceria das duas Secretarias (Educação e Segurança) para acabar com a violência no ambiente escolar.

Na prática, os militares assumem a administração da escola, enquanto a parte pedagógica (professores e métodos de ensino) segue sob a alçada da Secretaria de Educação.

‘Hierarquia e disciplina’

Os resultados da mudança implantada, segundo a escola e o governo goiano, foram satisfatórios. O diretor do agora Colégio Militar Fernando Pessoa, capitão Francisco dos Santos Silva, afirma que, implementando os princípios básicos militares de “hierarquia e disciplina”, a escola conseguiu acabar com os casos de violência e virou um “sonho” para os moradores da cidade.

“Aqui, aluno fumava droga dentro da escola e batia em professor. Eu cheguei a ter de tirar uma professora da aula. Ela estava em um estado tão grande de depressão, que eu tive que tirá-la da sala”, conta o capitão. “Agora, é outro mundo, os próprios professores perguntam como nós conseguimos. Antes, eram os alunos que mandavam na escola“, diz.

Entre os pedagogos e especialistas, porém, o modelo militar é bastante questionado. “Resolve a violência por causa do medo da repressão. Mas não resolve o problema real”, defende a doutora em Ciência da Educação e coordenadora do Observatório de Violência nas Escolas do Brasil, Miriam Abramovay.

A escola se tornou militar em janeiro de 2014 e, segundo o capitão Santos, no primeiro ano, conseguiu manter 80% dos alunos após as mudanças – eram 680 alunos até então. Seis meses depois, o colégio alcançou quase o dobro de estudantes (1.100) e atuam nele um total de 13 oficiais militares, 38 professores – a maioria mantida do modelo antigo da escola, com apenas algumas trocas daqueles que “não se adaptaram ao novo esquema” -, além de uma psicóloga, uma psicopedagoga e outros funcionários.

Entre as funções dos militares, estão as de cunho administrativo – o comandante e o sub-comandante fazem parte do corpo diretivo – e também as de “coordenadores de disciplina”, que são responsáveis por fazer com que os alunos cumpram as regras da cartilha militar.

“O ser humano se adapta ao meio. Quando você tira o meio violento, as palavras pesadas, eles mudam, o linguajar muda, o falar muda, a gente trabalha a consciência deles”, diz o capitão Santos. “Os alunos receberam muito bem, teve três ou quatro pais que não ficaram satisfeitos. Mas para a região aqui é um sonho para esse povo, muita gente queria e não tinha oportunidade.”

Mudanças

O dia a dia do aluno do Fernando Pessoa já começa diferente ao sair de casa para ir à escola. Antes, bastava colocar a camiseta do colégio, agora é preciso vestir o uniforme militar completo de estudante e cuidar para que tudo esteja “nos trinques” – uma camisa para fora da calça já pode gerar uma chamada de atenção.

O corte de cabelo dos meninos agora é “padrão militar”, e as meninas devem manter o seu preso. Esmalte escuro é proibido, assim como acessórios muito chamativos. Mascar chiclete, falar palavrão ou se comunicar com gírias (“velho”, “mano”, “brother”) também são práticas banidas da escola desde que ela se tornou militar.

Ao chegarem à escola, o tradicional “bom dia” foi substituído por uma continência. “Ela é a nossa saudação, para o professor ou entre os alunos, é um jeito de dizer ‘bom dia, como vai?'”, explica o capitão Santos. Daí vem o perfilamento em formação militar seguido da revista de um “coordenador de disciplina” para evitar que alguma regra seja desrespeitada. Uma vez por semana, há também a formação geral para cantar o hino nacional e o hino à bandeira, enquanto a mesma é hasteada conforme manda o protocolo militar.

Além dos novos hábitos, os alunos da escola Fernando Pessoa ganharam também novas aulas. O currículo do Ministério da Educação (MEC) é mantido, mas os militares adicionaram à grade aulas de música, cidadania, educação física militar, ordem unida, prevenção às drogas e Constituição Federal.

“Nós trabalhamos o respeito com o próximo, a responsabilidade com horários, a reverência aos mais velhos. E a convivência”, conta o diretor, que garante também não aplicar punições severas aos alunos que quebrarem as regras.

‘Mensalidade’
Desde que os militares passaram a administrá-la, a escola Fernando Pessoa passou por reformas e teve sua aparência transformada. “A escola era toda pichada, toda deteriorada, banheiros quebrados. Tirei oito caminhões de lixo daqui, era uma coisa muito triste. Agora, reformulamos, pintamos, pusemos climatizador nas salas, sistema de câmera, não tem mais nada de violência”, diz o diretor.

O próximo passo, segundo ele, é informatizar todas as salas, ampliar a área de esporte, construir uma piscina olímpica para natação e hidroginástica e criar um anexo para receber mais alunos. Mas tudo isso não é pago somente com a verba destinada pelo governo do Estado. Quem estuda no colégio militar Fernando Pessoa agora é convidado a “contribuir voluntariamente” com o pagamento de uma matrícula (R$ 100) e de uma mensalidade (R$ 50). O “custo” para o aluno inclui também a compra do uniforme militar, de R$ 150.

“É voluntário, acharam que isso era uma obrigação, mas não é. Contribui quem quer. O uniforme faz parte também, quem não teve condição de comprar a escola doou. Tiramos 10% dos pais que contribuem para ajudar quem não tem condição”, esclarece o comandante Santos.

“Nós reunimos os pais e passamos pra eles como funciona nossa escola. Mostramos que esse apoio deles é muito pouco pelo que a gente oferece. E eles acreditam e acabam aderindo. Muitos ajudam até com mais”, diz.

Solução questionada
A “solução” encontrada pela escola Fernando Pessoa com a “militarização” do ensino é vista por alguns educadores como uma forma de a escola “fugir” do problema. Para Miriam Abramovay, uma das principais especialistas em violência no ambiente escolar – responsável por coordenar, inclusive, uma pesquisa da Unesco sobre o assunto -, a atitude mostra um certo “desespero” da escola, que “atesta sua incapacidade” para resolver a questão.

“Militarizar a escola é algo muito grave, porque a escola atesta que ela não é capaz de nada, que para ela funcionar, tem que vir gente de fora, tem que vir a polícia. E aí dizem que isso resolve, mas resolve pela repressão”, pondera.

O método da disciplina que proíbe o uso de palavrões e de um linguajar mais despojado também é questionado por Abramovay. “Falar palavrões, usar gírias é normal entre os jovens, faz parte da linguagem juvenil, em algum momento sai palavrão. Proibi-los disso é mais uma forma de repressão”, diz.

Com informações da BBC Brasil.

 

Participe da discussão

6 comentários

  1. A Sra. Abramovay critica o sistema de militarização das escolas, como um sistema repressivo. Ela parece estar envolvida no estudo da violência escolar há muitos anos. Possui uma enorme quantidade de livros escritos sobre o assunto, incontáveis palestras, associação à UNESCO, etc.

    Mas, é um princípio simples e objetivo usar os resultados para julgar um método. Ou seja, o método tem de ser valorado, não por sua retórica ou pelo número de paginas escritas, ou pela notoriedade do autor, ou mesmo pela notoriedade daqueles que o apoiam. Mas, unicamente pelos seus resultados. Pois, isto é o que importa.

    Os resultados da escola militarizada estão aí, para quem quiser ver e participar.

    E os resultados da Sra. Abramovay, onde estão? Onde podem ser vistos e apreciados?
    Sem esta comprovação minha Sra. sua opinião é nula e sem base. Pois, comparar opinião (utopias) com resultado prático, me parece muito inapropriado.
    E além do mais, basta conhecer os programas gerais da UNESCO para saber que esta parceria não é nenhuma garantia de bons resultados. Mas, sim da execução de projetos ‘enlatados’ e totalmente dirigidos a Agenda Globalista e de esquerda.

    Mostre seus resultados, ou então no mínimo aprenda alguma coisa com quem aceitou arregaçar as mangas e atacar o problema em sua realidade e não atrás de uma escrivaninha. E só depois de muito trabalho, suor e perseverança em melhorar o ambiente escolar em todos os seus aspectos, mostra seus resultados. Lembrar a satisfação dos usuários e suas famílias ao processo que foram submetidos é também de grande importância.

  2. se valeu a pena, é isso que importa, os alunos precisa de uma certa repressão, se o que lhes dão um pouco de educação não importa se é de um modo ou outro o importante é que funcionou. fale mal quem quiser mas voces estão de parabéns.. “DEUS ABENÇOE”.

  3. Parabéns por essas iniciativas de combate à violência, que se tornou epidemia nas escolas brasileiras, principalmente públicas, mas não apenas.
    O Ministério da Educação, durante esses governos de veia esquerdista, tem promovido um material escolar, de cunho ideológico marxista, que mais parece panfletagem do que material educativo, com o intuito claro de gerar entre os jovens, não cidadãos aptos e livres, mas militantes débeis de reflexão e repetidores de chavões ideológicos.
    Não é à toa, que exatamente nesse período colocaram uma figura polêmica como Patrono da Educação, que apesar de muito laureado, nenhum benefício trouxe à educação no Brasil e nem na África.
    Aliás ser laureado hoje em dia, depois dos títulos de “honoris causa” do Lula, passou a ter valor negativo, foi vandalizado.
    Na esteira dessa invasão esquerdista na educação, que tem tudo a ver com o crescimento da violência, com a incompetência gerada nos alunos que não conseguem obter resultados razoáveis nos índices internacionais, vem essa socióloga Abramovay.
    Ela que já circula há anos como especialista no assunto, patrocinada por órgãos públicos, Unesco, etc., quer alegar que a escola sendo incapaz de resolver chama a polícia e promove a repressão.
    Que comentário ridículo e preconceituoso para uma pessoa, que também laureada pela esquerda, como Paulo Freire, não conseguiu até hoje com seus maravilhosos estudos e sua retórica, diminuir uma vírgula sequer nessa violência e nesse caos educacional.
    Parece uvas verdes, já que não conseguiu nada, não consegue reconhecer o esforço e o valor de quem conseguiu!

  4. Depois das aulas os alunos podem e tem liberdade de 8 a 10 horas para utilizarem as palavras que desejarem.

  5. Tem que entrar um presidente daquilo roxo, pra fazer isso em todas as escolas do país. Acabar com a merda que o PT transformou as escolas no Brasil!

  6. Essa pseudo especialista está incomodada?
    Então ela deve pedir ao governo de Goiás que passe a administração de uma escola para ela e sua equipe de especialistas educação e daqui a dois ou três anos vamos avaliar os resultados e comparar com a escola administrada pelos militares, talvez aí essa imbecil possa escrever um livro ou artigos com eficácia devidamente comprovada.
    #Vásecatarcanhotinha

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: