Rock in Rio: Querem salvar a Amazônia, mas não juntam o próprio lixo

O Rock in Rio 2017 se propôs, entre outras coisas, a ser um espaço em defesa da Amazônia.

Neste domingo (17) a cantora norte-americana Alicia Keys convidou ao palco a líder indígena e representante da Articulação dos Povos Indígenas no Brasil (Apib), Sonia Guajajara, para falar dos ataques à Amazônia promovidos pelo governo de Michel Temer.

O drástico é ver que após os shows, a plateia, teoricamente entusiasta e simpatizante da ideia, foi incapaz de juntar o próprio lixo, destoando às completas de qualquer iniciativa voltada para uma proposta de inspiração ambiental.

Lamentável.

760x0_1505764423_1156992562_1_1

Participe da discussão

3 comentários

  1. Ah?! Ativistas indígenas….?? que moram em bairros de Brasília, São Paulo ou do Rio, recebem verbas de ONG’s para viver e não devem visitar suas aldeias há meses ou anos?
    Servem de menino(a)s de recado da Agenda da ONU e de interesses internacionais em fraturar a nossa soberania na Amazônia e dragar nossas riquezas.
    Estas terras que vcs habitam e usam (mal ou bem) pertencem ao nosso país o Brasil. A infraestrutura, o ambulatório, o médico e a enfermeira, o rádio, a televisão, a cesta básica e muito mais… coisas que vcs recebem, elas são pagas com o dinheiro dos nossos impostos! Que tal parar de reclamar do país que os alberga e começarem a fazer parte do povo que os mantem??

  2. Além da falta de civilidade do lixo, o mais trágico é ver uma artista estrangeira colocar no palco uma representante da CUT indígena, o que mostra claramente que as Reservas indígenas foram feitas para entregar essas áreas a interesses internacionais.
    Os brasileiros não conseguem permissão fácil para entrar em Reservas indígenas enquanto estrangeiros circulam lá sem restrições!
    Os indígenas tem que fazer parte do Brasil e não de algo a parte, não são patrimônio da humanidade. São brasileiros em terras brasileiras!

  3. O ser humano, e principalmente o brasileiro, tem uma característica em sempre jogar a culpa e peso das decisões no outro. Já perdi a paciência em reunião do PC do B insistindo na tese do imperialismo norte americano, me levando a escrever um artigo sobre: AMÉRICA: Quantos cidadãos do mundo vão buscar melhorar de vida na Rússia, Albânia, Coréia do Norte? Quantos vão, ou reconstrituíram, sua vida nos Estados Unidos ou no Brasil. Os jovens brasileiros que “assistiram” ao Rock in Rio não tem nenhuma responsabilidade sobre seus atos?

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: