Subprocuradora Áurea Pierre considera que Moro pode ser suspeito de julgar Lula

Screenshot_2017-09-21-07-19-49

A Subprocuradora-Geral da República Aurea Maria Etelvina Nogueira Lustosa Pierre, de Brasília, deu parecer favorável a que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) considere o pedido da defesa de Luís Inácio Lula da Silva para que se discuta se o juiz Sérgio Moro é suspeito ou não para julgar Lula, sob o qual correm três processos contra o ex-presidente.

A decisão de acatar ou não o parecer cabe ao próprio STJ, segundo documento assinado pela Subprocuradora.

Em sua decisão, tomada segunda-feira, ela elencou nove razões apresentadas pelos advogados do ex-presidente:

Questões trazidas (da e-fl 1505/1508):

1 – Na APn 5046512-94.2016.404.7000 – linguagem de certeza de condenação no recebimento da Denúncia (Apartamento 164-A);

2 – Na mesma Decisão esclarecimento sobre a Denúncia apresentada pelo MPF – quanto à individualização da responsabilidade;

3 – Evento em 06/12/216, ‘Revista Isto É’  – fotografia trazida;

4 – A defesa do magistrado na Queixa-Crime apresentada;

5 – Vídeo com divulgação em redes sociais – figurando o magistrado com membros do órgão de acusação;

6 – Brasil apresentou informações em 27/01/2017 ao Comitê de Direitos Humanos da ONU, referente à comunicação do Agravante em 28/7/2016;

7 – Em audiência de 16/12/2016, permitido o tratamento indevido para com o Acusado;

8 – O magistrado após audiência, fora da gravação, dirigiu provocação ao Advogado do Agravante;

9 – Inquirição de Testemunhas com potencial de prejudicar o Acusado.

Lula pediu novamente a suspeição do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba depois que o magistrado afirmou ao petista, durante interrogatório, que o considera culpado. Em julho deste ano, Moro condenou Lula a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

A defesa do ex-presidente afirma que Moro usa palavras que denotam certeza em relação à culpa do ex-presidente em relação ao caso do triplex no Guarujá, no litoral paulista. Nesse mesmo processo, continuam os advogados, o magistrado também sai do papel de julgador para esclarecer denúncia do Ministério Público Federal em relação à individualização da responsabilidade dos acusados.

Participe da discussão

4 comentários

  1. Tipico de militante petista! Não respeitam as pessoas, o trabalho, a ordem social, mas gostam de se manter bem posicionados para poderem apadrinhar seus pares militantes, ganhar seus salários indevidos e ajudar a prom over sua Agenda suja de esquerda e o cáos social.
    Não acredito que o STJ dará guarita à uma peça tão cheia de mimimi e vitimização de um criminoso. Coisas de uma defesa de “porta de cadeia”, que por não ter mais argumento, nem como desqualificar o juiz, levanta estas suspeitas levianas e subjetivas. Uma vergonha!
    Mas, se o STJ, resolver para nossa surpresa acatar, lembremos do que Gal. Mourão nos avisou com muita propriedade, as aproximações sucessivas da tabela logarítimica!! Estamos alertas e na expectativa!! Viva o Gal. Mourão!!!

  2. seou pessoa ignorantes nessas questões jurídicas mas vejo que deram respeitabilidade demais para esse bandido e não menos o seu advogado Zanin. Será que todos os juizados estão contra MORO o primeiro homem a limpar o país desses criminosos que não assinam um papel, pagam para assiná-los…. que tudo é combinado debaixo das mesas…. Lula é criminoso nato…. e o pior que seu advogado também.

  3. Sempre o Lula é incente, não sabe de nada o.que acontece, a culpa ele joga sempre para os outros! Como a mulher que já morreu, é vitima do juiz, também é vitima de seu.antigo amigo e ex ministro! COITADINHO POBREZINHO NÃO SABE DE NADA INOCENTE!!!!!

  4. Dentre as varias matérias que lecionei estão os PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO. Quem se comunica melhor e é mais convincente, tem mais sucesso em suas intenções e objetivos. Na aplicação da Justiça este conhecimento é fundamental. Quem ainda não assistiu, assista o filme sobre “Santo” Agostinho, ou conheça sua história. O papel do Advogado tem sido defender seu “cliente”, ainda que não acredite em sua versão dos fatos. Afinal está sendo remunerado para esta atividade profissional. A função/responsabilidade do JUIZ, diga-se de passagem DIFICÍLIMA, é comprovar QUEM ESTÁ FALANDO A VERDADE, e dar o veredito.

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: