Após ser flagrado em conversa suspeita e com vazamento de informações, PGR exonera procurador Sidney Madruga

Screenshot_2017-09-22-16-39-17.jpg

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, exonerou o procurador regional da República Sidney Pessoa Madruga do cargo de coordenador do Grupo Executivo Nacional da Função Eleitoral (Genafe). A exoneração, segundo a assessoria da procuradora-geral, foi feita a pedido de Madruga.

O procurador foi flagrado pela reportagem do jornal Folha de S. Paulo em conversa em restaurante no qual fala que a “tendência” no órgão é investigar o procurador Eduardo Pelella, que foi chefe de gabinete do ex-procurador-geral Rodrigo Janot.

 

De acordo com a assessoria da PGR, o pedido de exoneração da equipe foi apresentado “com a finalidade de evitar ilações impróprias e indevidas”.

“A PGR reitera informação repassada ao jornal de que o procurador mencionado não atua em matéria criminal e não teve acesso a nenhuma investigação ou ação penal conduzidas pela atual equipe do Grupo de Trabalho da Lava Jato, em Brasília. A portaria de exoneração foi assinada na tarde de hoje”, informou a assessoria da Procuradoria-Geral da República.

Na conversa flagrada pela publicação, Madruga falava sobre a atuação de Pelella, braço direito de Janot, na negociação da delação do grupo J&F.

Participe da discussão

1 comentário

  1. Esses encontros de pessoas que podem passar informações para investigados em bares, hotéis e restaurantes já ocorreram várias vezes, inclusive fora do Brasil.
    Não são ilações impróprias e indevidas, na verdade, são próprias e devidas, igualzinho os áudios que querem excluir!

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: