Pelo segundo dia, Forças Armadas protegem população da Rocinha

Screenshot_2017-09-23-13-57-14

As Forças Armadas realizaram, neste sábado (23), o segundo dia de ocupação e proteção da comunidade da Rocinha.

Novamente, a favela, na zona sul do Rio de Janeiro, registrou tiroteios durante a madrugada. A Polícia Militar (PMERJ) informou que os tiros foram ouvidos por volta das 4h30 da manhã. Não há informações de feridos até o momento. De acordo com o Comando Militar do Leste, cinco suspeitos foram presos. Também foram apreendidos fuzis, granadas, carregadores e munições de diversos calibres, além de droga.

Em nota, o Comando Militar do Leste informa que pessoas armadas tentaram romper o bloqueio do cerco estabelecido pelas Forças Armadas na comunidade da Rocinha, nas proximidades da Rua General Olímpio Mourão Filho. “Foram presos pela Polícia do Exército os 5 ocupantes de um veículo Renault Symbol e apreendidos um fuzil e quatro carregadores, uma pistola com dois carregadores, 86 munições calibre 7,62mm e 18 calibre 9mm, dois equipamentos de rádio transmissores, documentos e cadernos de anotações, além de drogas e dinheiro em espécie”, ressaltou o posicionamento. Ainda segundo o Comando Militar do Leste, os suspeitos e o material apreendido foram entregues à 11ª Delegacia de Polícia, na Favela da Rocinha.

O PMERJ também informou que os policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) receberam a informação via rádio sobre a perseguição do 23ºBPM (Leblon) a um táxi com criminosos armados, vindo pelo túnel Zuzu Angel. O tiroteio teve início depois que um taxista foi rendido por bandidos no Jardim Botânico. O refém foi levado para a comunidade do Horto, onde traficantes tomaram posse do veículo e seguiram em direção à Favela da Rocinha. A PM do Rio de Janeiro informou que os bandidos estavam com fuzis e entraram em confronto com os policiais. Por precaução, o túnel Zuzu Angel, que liga as zonas sul e oeste, ficou interditado, nos dois sentidos, por pelo menos uma hora.

Por volta das 9 horas deste sábado, policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Rocinha, em ação de vasculhamento, também aprenderam cinco artefatos explosivos na localidade conhecida como “Roupa Suja”. A Polícia Militar afirmou acreditar que os criminosos estejam usando a mata fechada para sair da Rocinha e atingir os bairros do Horto e do Jardim Botânico.

Já na favela Dona Marta, em Botafogo, na zona sul carioca, também houve troca de tiros durante a madrugada. Policiais da UPP da comunidade faziam um patrulhamento de rotina e quando passavam por uma região onde estava sendo feito um baile funk foram atacados a tiros. Os policiais revidaram e os criminosos fugiram. Ninguém ficou ferido.

Fonte: Estado de S. Paulo

Participe da discussão

1 comentário

  1. Um absurdo as FFAA fazendo segurança em favela, que não é sua função, enquanto o Governo corta verbas da mesma.
    Tudo isso chegou a esse ponto porque os mesmos políticos que assaltaram a Nação, alimentaram também o “crime organizado” do tráfico de drogas.
    O lugar certo e patriótico das FFAA agora seria fazendo a Intervenção Constitucional Militar necessária para a grande faxina política do País!

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: