Museu apresenta “performance” entre criança e homem nu

20170928_233640

Em uma performance na abertura do 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo, na última terça-feira, o artista fluminense Wagner Schwartz se apresentou nu, no centro de um tablado. Em vídeo que circula nas redes sociais, sob fortes críticas, uma menina que aparenta ter cerca de quatro anos aparece interagindo com o homem, que estava deitado de barriga para cima, com a genitália à mostra.

Na performance, intitulada La Bête, Schwartz emula um dos Bichos de Lygia Clark, as esculturas de alumínio com várias dobradiças que podem ser manipuladas pelo público. O artista se posiciona completamente nu em uma espécie de tatame e, então, pode ser manipulado pelos espectadores. A menina toca na canela e nos pés de Schwartz e depois sai engatinhando do espaço, e volta a assistir à performance. Ela está acompanhada de uma mulher adulta – segundo o MAM, sua mãe. Por atenção ao Estatuto da Criança e do Adolescente, o vídeo não foi publicado aqui.

A performance já foi apresentada anteriormente. Nas redes sociais, há registros de uma apresentação em Salvador, no Goethe-Institut, em que uma outra criança (uma menina um pouco mais velha) também interage com o artista, tocando sua cabeça.

Segundo o MAM, a performance aconteceu apenas uma vez, em sessão fechada para convidados.

Fonte: Veja

 

Participe da discussão

3 comentários

  1. Esses degenerados mentais não desistem de atacar a família e os bons costumes, através das crianças.
    Devem ser rechaçados com veemência.Isso não é arte, é folhetim medíocre de pornografia, pedofilia descarada..
    É para ir para o lixo, de onde nunca deviam ter saído!
    O título está certíssimo, “A Besta”, exatamente o que eles são!

  2. Pode criticar se quiser, a arte é apreciada e criticada por muitos. Os pintores da antiguidade também já foram alvejados em séculos passados por pintar o seio de uma mulher em um quadro e colocá-lo em exposição, depois isso acabou sendo aceito pois é a observação, estudo e retratação do corpo humano. Não sei se sabe, mas até o quadro da Monalisa foi altamente criticado e falado socialmente, pois ela aparece de cabelo solto, o que era inconcebível para uma mulher casada… Elas deviam sempre aparecer com o cabelo preso. Engraçado não é, a arte, mesmo a mais majestosa hoje em dia, no passado, quando feita, também causou reboliço e discórdia… A arte é uma mensagem falada de uma outra maneira, nela não existem as regras sociais de costume, pois elas são, em sua EXTREMA GRANDE MAIORIA, contrapontos e perspectivas diferentes do que estamos acostumados a ver com nossos olhos. Novamente… é engraçado ver tanto conservador, da igreja, querer ir ao Vaticano e percorrer todas aquelas salas com obras históricas, e achar tudo lindo, elegante e nobre…. Mal sabem que lá há obras que foram duramente criticadas pela própria igreja, de artistas considerados hereges… Isso porque tanto faz para a maioria, absorvem o conteúdo visual, trabalham na sua cabeça fechada e sem informação sobre o assunto e conseguem tirar inúmeras conclusões.
    Eu não sou formado em artes, não estudei história da arte, mas tive a sorte de ir a vários museus da Europa, inclusive o Vaticano, e acompanhado de um amigo que é formado em história da arte… Ele me explicou muita coisa passando por diversos quadros, e como todo aquele expressionismos criticados naquela época, se tornaram referência para tantas coisas que exaltamos hoje em dia como belo. A arte de hoje é moderna, contemporânea, pós-moderna… Nem mesmo quem estudou arte, e faz arte, aceita ou gosta de outros estilos… O que dirá então de pessoas que pisam em um museu a cada 10 anos…………………… Pois é………………
    Posso não achar graça nenhuma desta peça apresentada aí na imagem, posso não ver sentido nenhum para mim, mas há quem veja. Esta pessoa é livre para achar isso, como também, a pessoa que está fazendo a mesma. Eu não faria a mesma coisa que esta mãe fez com a filha (sim, é mãe da criança), mas é totalmente perceptível que a criança está ali de uma forma inocente, interagindo com a exposição da mesma forma que a mãe que era espectadora, não sendo forçada a nada e não havendo conotação sexual em momento algum. A conotação sexual é por parte da mente das pessoas que vêem isso dessa forma.

    Nota do museu:
    É importante ressaltar que o Museu tem a prática de sinalizar aos visitantes qualquer tema sensível à restrição de público. Neste sentido, a sala estava devidamente sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística. O trabalho não tem conteúdo erótico e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, artista historicamente reconhecida pelas suas proposições artísticas interativas.
    É importante ressaltar que o material apresentado nas plataformas digitais omite a informação de que a criança que aparece no vídeo estava acompanhada de sua mãe durante a abertura da exposição. Portanto, os esclarecimentos acima denotam que as referências à inadequação da situação são fora de contexto.

  3. Eu me admiro da mãe dessa criança,se é que podemos chamar de mãe,é uma baita sem vergonha

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: