Santander dá resposta ao procurador Fabiano Moraes que exigiu reabertura da exposição Queer

Screenshot_2017-09-29-15-34-26

O Banco Santander afirmou nesta sexta-feira (29), por meio de sua assessoria de impressa, que não irá reabrir a exposição “Queermuseu – Cartografias da diferença da arte brasileira”, fechada em 10 de setembro. A posição do banco foi divulgada um dia após o Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul (MPF/RS) publicar uma recomendação para que a instituição financeira voltasse atrás da decisão sob ameaça de “ensejar a adoção das medidas judiciais cabíveis”.

Veja a nota do banco: “A mostra Cartografias da Diferenças da Arte, teve sua exibição finalizada no Centro Cultural de Porto Alegre, de cunho privado, no dia 10.9.17 e não será reaberta conforme comunicado do mesmo dia”.

Procurador Fabiano Moraes

No começo da noite de quinta-feira (28), o Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul (MPF/RS) publicou uma recomendação para que o Banco Santander reabra a exposição “Queermuseu – Cartografias da diferença da arte brasileira”, realizada em Porto Alegre, sob ameaça de “ensejar a adoção das medidas judiciais cabíveis”.

Segundo procurador da República Fabiano de Moraes, o precedente do fechamento de uma exposição artística causa um efeito deletério a toda liberdade de expressão artística, trazendo a memória situações perigosas da história da humanidade, como a “destruição de obras na Alemanha durante o período de governo nazista”. Ele ressalta também que as obras que trouxeram maior revolta em postagens nas redes sociais “não fazem apologia ou incentivo à pedofilia”, conforme manifestação pública dos promotores de Justiça do Ministério Público Estadual.

O MPF também recomenda que o Santander Cultural realize uma outra exposição em proporções e objetivos similares à que interrompeu, preferencialmente com temática relacionada à diferença e à diversidade, e que fique aberta a visitação em período não inferior a três vezes o tempo em que a Queermuseu permaneceu sem visitação – 19 dias, até o momento.

Participe da discussão

3 comentários

  1. Se o MPF na pessoa do procurador Fabiano de Moraes não conseguiu ver pedofilia, zoofilia, desrespeito e escárnio à símbolos religiosos de milhões de brasileiros, a despeito da manifestação clara desses mesmos brasileiros, sugiro que vá ao oftalmologista, e volte para olhar de novo a exposição.
    A família brasileira que paga o MPF não necessita ou merece que este mesmo MPF a desrespeite ou a fragilize.
    Me parece que este procurador em vez de estar defendendo a liberdade de expressão, está mesmo é defendendo a expressão da libertinagem.
    Finalmente sugiro que o procurador leve a exposição para sua casa, por um tempo três vezes o que ela ficará fechada, em apresentação fechada para o deleite de seus amigos e sua família!

  2. Infelizmente estamos vivendo dias em mostrar a bunda é liberdade de expressão, ejacular nas costas de uma mulher, estuprar animais, e vamos percebendo que sorrateiramente estão encaminhando as coisas para que a pedofilia se encaixe em algo também aceitável como liberdade de escolha e identificação porque o importante é ser feliz. Esse promotor é um doente.

  3. NAO CONSIGO,ISSO NAO MERECE RESPOSTA , MAS SIM ENFORCAMENTOS DOS ENVOLVIDOS, TEMER POR TER DADO O DINHEIRO ETC…A TODOS POR TER AGREDIDO O CRIADOR DE MANEIRA BRUTAL !!! E’ BEM MELHOR QUE CADA UM DELES , “AMARREM UMA PEDRA NO PESCOCO E SE ATIREM AO FUNDO MAR” !!! (( JESUS DE NAZARE’ ))

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: