Lava Jato busca donos de R$ 2,52 bilhões na Suíça

 

Screenshot_2017-10-17-07-44-26

Com investigadores estrangeiros ampliando o confisco de dinheiro na Operação Lava Jato, procuradores brasileiros avaliam que o término da investigação está longe de ser alcançado –apesar de recentemente o juiz Sergio Moro ter dito que os trabalhos em Curitiba se aproximam do final. Isso porque as investigações devem ser estendidas para outros lugares e instâncias.

Só na Suíça, a quantidade de dinheiro bloqueado chega a mais de 1 bilhão de francos (R$ 3,22 bilhões) neste ano, segundo dados obtidos pelo UOL com o Ministério Público em Berna.

Desse total, investigadores no Brasil apontaram que ainda desconhecem quem são os verdadeiros donos de cerca de US$ 800 milhões (R$ 2,52 bilhões) de 800 contas correntes bloqueadas no país europeu.

Apenas depois disso é que as futuras ações penais podem ser abertas para que se tente buscar a devolução desse montante. O trabalho de cooperação internacional, considerado por eles como “de formiguinha”, ainda deve se estender por outros países, como a China.

Ainda assim, o procurador Paulo Roberto Galvão, da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, destaca que R$ 769 milhões já foram recuperados aos cofres públicos do Brasil desde o início do caso, em 2014. Falta uma análise sobre os R$ 2,52 bilhões restantes. “Esse é um ponto que mostra o tanto que a Lava Jato precisa andar em Curitiba e em outros locais”, afirmou.

“É uma investigação lenta”

Há várias trilhas de dinheiro para serem identificadas e analisadas. Um exemplo é o filão que levou o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a cadeia – o político nega ter cometido irregularidades. Nele, os procuradores encontraram novas informações. Elas ligam outros investigados a contrabandos e fraudes, além de gastos com joias, carros e empresas de comércio na Ásia.

Paulo Galvão diz que novas investigações serão abertas na busca por encontrar outras pessoas que receberam os subornos dessa mesma fonte em que Cunha foi pego. “Esse caso é bem relevante”, explica o procurador.

“Não posso dar detalhes, mas tem mais investigação desse mesmo pagamento. É um dinheiro que foi dividido. É importante saber se aquela pessoa era o destinatário final ou se o dinheiro ficaria com ele e dali iria para uma outra pessoa. É uma investigação lenta.”

Fonte: Uol e Estadão Conteúdo

 

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: