Gilmar Mendes e Barroso trocam acusações gravíssimas

Os ministros Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso travaram um duro embate na sessão plenária desta quinta-feira (25/10) do Supremo Tribunal Federal. Em resposta à acusação de que teria soltado o ex-ministro José Dirceu no caso do mensalão e que teria sido advogado de bandidos internacionais, Barroso afirmou o colega muda a jurisprudência de acordo com réu. “Isso não é Estado de Direito. É estado de compadrio. Juiz não pode ter correligionário”.

Leia o embate:

Gilmar Mendes: Não sei para quem o Rio é modelo? Na época diziam que deviam seguir o Rio de Janeiro. A prova de que falta criatividade ao sei para que o rio é modelo. Na época diziam deviam seguir no Rio. A prova que falta criatividade ao administrador é o Rio.

Barroso: citar o Rio… vossa excelência deve achar que é Mato Grosso, onde está todo mundo preso.

Gilmar: No Rio?

Barroso: Nós prendemos, tem gente que solta.

Gilmar: solta cumprindo a Constituição. Vossa excelência, quando chegou aqui soltou Zé Dirceu.

Barroso: Ele recebeu indulto.

Gilmar Mendes: Não, não, não. Julgou embargos.

Barros: é mentira! vossa excelência não costuma trabalhar com a verdade. Zé Dirceu foi solto por indulto. Vossa excelência está fazendo comício que não tem nada a ver. Está queixoso porque perdeu o julgamento de precatório. Não para de destilar esse ódio constante. Deveria ouvir a última música de Chico Buarque:  a raiva é filha do medo e mãe da covardia.  Fica destilando o ódio o tempo inteiro. Não é pertinente. Não julga, não fala coisas racionais, articuladas. Está sempre com raiva, ódio de alguém.

Cármen Lúcia interrompe: Peço que voltássemos ao caso.

Gilmar: os embargos do Zé Dirceu.

Barroso: o indulto foi aprovado porque ninguém é melhor que ninguém. Quem decidiu não fui eu, foi o STF. STF tem 11 ministros. A maioria entendeu que não havia crime [quadrilha]. Ele só está solto porque a segunda turma determinou. Não transfira para mim a leniência que vossa excelência tem com o crime do colarinho branco.

Cármen: estamos no plenário do Supremo:

Gilmar retoma voto sobre extinção do tribunal de contas dos municípios do Ceará. Ao final, retoma o embate:

Não sou advogado de bandidos internacionais [referência ao caso italiano Cesare Battisti.

Barros: vossa excelência vai mudando a jurisprudência de acordo com o réu. Isso não é estado de direito. É estado de compadrio. Juiz não pode ter correligionário

Participe da discussão

3 comentários

  1. Ninguém se salva neste STF. É um lata de lixo institucionalizada. Todos ali tem preferências políticas explícitas. Isto é o que dá o modelo atual em que o Presidente nomeia quem ele quer e o Senado como ovelhas assinam em baixo. A gente fala, fala, fala, mas a verdade é que a representatividade no Brasil é um desastre anunciado pelo ex-presidente João Batista Figueiredo. Ele expressou sua opinião que acabou virando uma profecia: “Eu vou fazer a abertura política, mas saibam que estes mesmos que hoje lutam para ter a abertura democrática não estão interessados no povo brasileiro, mas tão somente em si mesmos”. Para nós como povo é uma dura lição pela qual estamos passando e tenho minhas dúvidas se isto ainda não vai acabar muito mal. Sinceramente não vejo luz no fim do túnel. Há uma guerra surda sendo travada nos bastidores da política entre esquerda e direita. A esquerda nem em seus piores sonhos imaginaria que Dilma seria deposta e que Jair Bolsonaro, um ex-militar, estaria hoje como o favorito para se tornar presidente do Brasil. Todo o sonho da esquerda em tornar a América Latina um único país comunista em resposta a queda do muro de Berlim ruiu por terra pela ganância dos petralhas. Roubaram e deixaram roubar o quanto puderam e hoje temos um país depauperado, atrasado e em ponto de explodir. O Brasil é um barril de pólvora, pois bastará algum grupo extrapolar para violência que tudo virá abaixo. As exposições ideológicas, a defesa dos artistas chapa branca, os discursos de luta armada, a imprensa marrom, o patrulhamento de politicamente correto, o financiamento de ONGs por estrangeiros como a Anistia Internacional que vive infernizando nossa vida, os “ismos” apropriados pelos esquerdopatas: gayzismo, feminismo, islamismo (xenobofia), racismo, a corrida desenfreada para demarcar as terras indígenas em áreas de grande volume de riquezas no subsolo, os quilombolas que recebem tudo de graça para não fazerem nada, as invasões do MST, do MTST, os sulistas querendo se separar do Brasil, as facções criminosas que arregimentam milhares de bandidos nas cadeias para torná-los soldados do crime, as péssimas condições das prisões, as saídas de toda sorte de criminosos que sempre fogem numa ordem de 20% para cada saída de toda ordem, as reduções absurdas de penas, o código penal obsoleto, a menoridade penal que é uma indecência, pois crime não tem idade (tai o menino que matou 2 colegas de escola e vai sair daqui a três anos sem nada constar em sua ficha criminal), este Direito dos Manos que nunca se preocupou em momento algum com a morte de inocentes, mas dá todo tipo de assistência aos bandidos ao ponto de um diretor ser preso por pertencer a uma facção criminosa, a patrulha incessante e abjeta sobre as PMs de todo Brasil numa investida criminosa para desmilitarizá-la e torná-la uma milícia aos moldes da Venezuela e assim buscar a tomada de poder sem que haja resistência citadina, o tal Foro São Paulo uma reunião de esquerdopatas da America Latina que foi escondida do povo por anos a fio sem que a imprensa vendida nunca tivesse noticiado sua existência, pois isto não iria permitir a eleição do Luladrão em 2002, o PSDB como um partido dualista com o PT fingindo ser oposição quando na verdade era a mesma moeda com lados diferentes, as obras financiadas em países alinhados com a ideologia marxista com ditaduras sanguinárias que levaram o dinheiro do povo brasileiro enquanto no Brasil estradas, portos e aeroportos são mantidos como lixos, nossas escolas e universidades tomadas pelo esquerdismos reacionário doutrinando nossas jovens para a ideologia marxista, e, por fim, numa descarada investida contra nossas crianças as exposições do Queermuseu do Banco Santander e a exposição do homem nu do Mam sendo tocado por crianças e exposições de homens e mulheres nus andando em circulo e enfiando objetos em orifícios anais, além de um homem nu ralando a imagem de Nossa Senhora e outro urinando sobre uma mulher vestida de preto e tudo isto sendo chamado de arte, ou livre expressão. Então eu digo: Estamos em guerra, não uma guerra de armas, pois esta ainda não chegou, mas uma guerra cultural ideológica com o objetivo claro de refundar a cultura ocidental baseada no cristianismo e judaísmo, uma guerra contra a família tradicional que nos ditos do manifesto comunista é a base da burguesia que deve ser extirpada para tornar o homem um objeto do Estado e vemos dia após dia defensores desta ideia dizer sem medo de que as nossas crianças não são nossas, mas da sociedade e devem ser educadas ou melhor dizendo, doutrinadas para aceitar passivamente as ideias da esquerdopatia sem que os pais possam questionar os ditames das escolas sem sofrerem penalizações como na famigerada lei da palmada. Estamos em guerra, uma guerra suja que não vai durar muito, pois uma hora destas alguém não vai se conter e vai partir para o tudo ou nada seja da direita como na noite de São Bartolomeu ou dos facas longas, seja da esquerda como na eliminação de milhões que lhes eram contra. O tabuleiro está montado e o Brasil é o ponto chave para os objetivos desta esquerda nefasta, pois é daqui que saem os recursos para financiar esta insensatez aliada com os recursos internacionais que tem olhos gigantes em nosso país . A esquerda está delirando de raiva porque estamos atacando seu grande nicho de “massa de manobra”, as escolas e universidades. O escola sem partido vai de vento em popa com todo tipo de violência que as esquerdas tentam impor. Entretanto não é só das esquerdas que precisamos ter receio, mas também de grupos nacionais e internacionais dos quais o candidato Jair Bolsonaro representa uma represa para seus intentos nefastos de dilapidar o Brasil. O que essa gente menos quer é um nacionalista a frente de um país rico como o nosso. Quando se começa a ligar todos os pontos de acontecimentos que estarrecem o povo honesto do Brasil chega-se a conclusão que há algo orquestrado para destruir este país. Somos uma nação riquíssima em terras, reservas minerais, água potável, costa marítima, florestas, fauna e flora. Temos uma das maiores extensões de terras agricultáveis do mundo e também uma extensão fabulosa na criação de gado bovino, suíno e aves. Temos petróleo, gás, e gigantescas hidroelétricas que fornecem energia limpa, além de grandes espaços para biodiversidade energética como eólica, etanol, urânio, solar entre outras. É claro que isto desperta o interesse e a cobiça de outras nações. Se vamos chegar em 2018 para eleições eu não sei, porque podemos ficar pelo meio do caminho e voltar a ter uma ditadura militar muito, mas muito pior do que a que tivemos no passado e desta vez o tranco será muito forte. A fala do General Mourão foi apenas um aviso que poderá se concretizar quando a intolerância chegar ao ponto de inflexão. E isto se dará com a prisão de Lula e a disparada de Jair Bolsonaro na frente das pesquisas para presidente. É, finalmente, hoje o povo brasileiro está mais consciente e desejoso de um novo país. Tomara que isto de concretize nas urnas sem adulterações ou então amargaremos mais anos chumbo.

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: