Odebrecht pagou 200 milhões de dólares em suborno a 145 testas-de-ferro da Am. Latina

Gli

A Odebrecht pagou 200 milhões de dólares em comissões ilegais a políticos, funcionários, empresários e supostos testas-de-ferro de oito países da América Latina através do grupo bancário Banca Privada d’Andorra (BPA), segundo relatórios confidenciais da polícia deste principado.

A informação, revelada nesta quinta-feira (9) pelo jornal espanhol El País, afirma que os investigadores do caso, sob as ordens da juíza Canòlic Mingorance, chegaram a esta quantia após examinar as contas de 145 clientes. O governo de Andorra interviu em março de 2015 na BPA e, no ano passado, este pequeno país, situado nos Pireneus, fronteiriço com Espanha e França, renunciou ao sigilo bancário.

jornal teve acesso à documentação confidencial que políticos, altos cargos de governos, funcionários, advogados e testas-de-ferro do Brasil, Equador, Peru, Panamá, Chile, Uruguai, Colômbia e Argentina apresentaram à BPA para abrir suas contas secretas.

Segundo as informações destas fontes, a Odebrecht transferiu a estes depósitos subornos milionários que mascarou como serviços que nunca prestou. O escândalo da Odebrecht revelou subornos em 12 países da América Latina e da África, incluindo o Brasil, no valor de 788 milhões de dólares, segundo documentos divulgados em dezembro do ano passado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Segundo o El País, a BPA de Andorra e o Meinl Bank de Antígua e Barbuda foram os principais bancos utilizados pela construtora brasileira para pagar os subornos a personagens-chave na adjudicação de obras públicas.

As investigações policiais e judiciais revelaram que a Odebrecht utilizou as sociedades “offshore” (paraísos fiscais), Aeon Group e Klienfeld Services Limited para pagar os subornos a políticos e funcionários. Além disso, segundo a investigação do jornal espanhol, gerentes da BPA constituíram sociedades no Panamá para ocultar os titulares reais das contas bancárias.

Através do levantamento, foram descobertas transferências a parentes e pessoas próximas a líderes latino-americanos, como os pais do ex-ministro panamenho Demetrio Papadimitriu (cerca de 10 milhões de dólares) ou o ex-vice-presidente da empresa estatal Petróleos do Peru, Miguel Atala Herrera, durante a presidência de Alan García (8,5 milhões de dólares).

Também cita como subornado ao ex-ministro colombiano Gabriel García Morales (6,5 milhões de dólares), e ao ex-ministro de Eletricidade do Equador, Alecksey Mosquera. A conexão da BPA com a Odebrecht passa, segundo El País, pelo antigo responsável do banco andorrano no Uruguai, Andrés Norberto Sanguinetti Barros, conhecido como Betingo.

Participe da discussão

2 comentários

  1. Isso comprova que os latino americanos, tem sede do alheio. O sangue deve ter cheiro de corrupção, os vermes agitam-se só de prever possibilidades de receber alimento da propina. é uma coisa incrível!> Ao mesmo tempo que assusta, o presente assunto trás a tona uma situação que todos sabiam mas não tinham provas mais tão contundentes. // É sobre tudo lamentável esses episódios!…Então quando acusam os brasileiros, é só uma forma de manter a aparência e posar de honestos,quando na verdade são todos da mesma laia de corruptos, e lacaios do sistema financeiro que contribui.

Deixe um comentário
%d blogueiros gostam disto: