Waack pode ir para prisão por racismo, diz presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB

Posted by

Screenshot_2017-11-11-16-33-18

O jornalista Willian Waack pode ter que enfrentar um processo na Justiça, segundo a
advogada Emiko Liz Ferreira, presidente da Comissão de Igualdade Racial da seção de Santa Catarina da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC). Racismo é crime e, a depender da interpretação do juiz, pode dar até quatro anos de prisão.

“O movimento negro hoje é bastante forte e organizado, poderia entrar com uma denúncia, junto ao Ministério Público, de dano moral baseado na questão racial”, diz Emiko.

O fato de Waack não se dirigir a uma pessoa específica, e sim ter dito uma frase genérica (“Coisa de preto”), poderia elevar a punição, segundo Emiko. “Ele não se dirigiu a ninguém. É mais grave. O crime de injúria racial é aquele dirigido a alguém, tem menor poder ofensivo e prevê penas alternativas: cesta básica, multa em geral de um salário mínimo, paga ao Conselho Penitenciário. Isso acaba não compensando a vítima de forma nenhuma”, diz Emiko.

“Já o crime de racismo é aquele que é voltado a todos de uma raça. Com base no Estatuto da Igualdade Racial, a pena é de prisão, em média de quatro anos”, continua a advogada. “Se o Ministério Público o denunciar, o William Waack pode ser julgado por uma vara criminal e ir para a prisão.”

Fonte: Veja

Advertisements
Anúncios

12 comments

  1. Não acho que destruir a carreira de uma pessoa por uma fala de momento seja o caminho. Pensar pode mas falar não.

  2. Dra Imeko Liz Ferreira, e se o Willian Waack , tivesse matado em um
    ataque de fúria 😡 o buzinador?? Qual seria a sua pena ?? Eu mesmo respondo!! Responderia o seu processo em liberdade 🗽!! Enquanto por racismo, crime inafiançável e sem possibilidade de responder em liberdade!! Não é uma incoerência Dra Emiko???

  3. Mas pode ser absolvido tambem, ou ate mesmo, antes, ter rejeitada a denuncia por indefinição do ofendido…

  4. Conversa fiada com intenção de gerar um clima de ameaça. Racismo em si não é crime e sim o ato discriminatório. Uma opinião falada ao pé do ouvido não é crime! Não foi um ato de discriminação aberta e portanto não é passível de punição. Além do quê não foi em solo brasileiro. Essa gente adora fazer terrorismo!

  5. OAB clube do bolinha gosta de holofotes mídia mas envergonha a classe que representa, quem deve ir pra casei não vai.todos pronuncia a palavra Preto.

  6. Perderam a noção do ridículo. Um comentário bobo com um amigo num momento de irritação quando ninguém mede as palavras não define o caráter de ninguém, muito menos identifica alguém como “racista”. Se for seguir essa lógica, vai faltar cadeia para prender gente que xinga no trânsito com frases que poderiam ser consideradas racistas, sexistas ou outros “istas”. Muita fumaça só para esquerdista dar espetáculo de bizarrices. Aliás, onde estava a OAB quando Lula fez comentários machistas e homofóbicos?

  7. Parem com a hipocrisia e comecem a Respeitar!
    Quanto mais se fala em racismo maior é descriminação, quanto mais se respeita mais nos reconhecemos como seres humanos iguais. Só nos diferenciamos pela própria conduta, dignidade e caráter!!
    Tem aquele velho ditado que já ouvia das pessoas mais antigas: Quando não fazem na entrada, fazem na saída.
    Estão querendo ignorar isto ou esquecer, então é pura hipocrisia!
    Assim como quando dizem: Coisa de branco sujo!
    Também não se pode ignorar porque é dito com muita frequência, fingir o contrário também é hipocrisia!
    Sejamos verdadeiros pois o que vale é o Respeito mútuo na hora certa!
    A Globo que deixe de ser Hipócrita e revele quais são suas verdadeiras intenções com relação ao seu Melhor Jornalista e Comentarista
    Sr. Willian Waak!
    Seu público espera por um tramento justo e honesto e esperamos por seu retorno para elevar e manter a qualidade de seu Programa Jornalístico!

  8. O que acho é que um preto pode falar o que quiser de uma pessoa que seja de qualquer cor e nada acontece mas o contrário não há perdão, vamos destruí lo.

Deixe uma resposta