Ministra ignora solicitação de 11 procuradores e tira Alckmin da Lava Jato

ministra

O ex-governador paulista e pré-candidato do PSDB à presidência, Geraldo Alckmin, será investigado na Justiça eleitoral de São Paulo. Nesta quarta-feira, ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), autorizou o envio do inquérito do tucano  para o Tribunal Regional Eleitoral. Até o momento seu caso tramitava na corte de Brasília porque ele tinha o foro privilegiado, por ser governador. Como renunciou ao cargo na semana passada para disputar a eleição, ele perdeu essa prerrogativa e agora terá os delitos apurados por instâncias inferiores.

Conforme informações da Procuradoria-Geral da República, há a indicação de que todos os casos envolvendo ex-governadores em que há indícios de pagamento de caixa dois tramitem na esfera eleitoral. A investigação contra o ex-governador iniciou em novembro do ano passado. Ele foi apontado por delatores da empreiteira Odebrecht como o receptor de mais de 10 milhões de reais, em caixa dois, nas campanhas eleitorais de 2010 e 2014, quando concorreu e foi eleito ao cargo de governador.

Inicialmente, os onze procuradores da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo haviam solicitado “com urgência” que os casos envolvendo Alckmin fossem enviados a eles. Mas o vice-procurador-geral da República junto ao STJ, Luciano Mariz Maia, decidiu que as investigações tinham caráter eleitoral. Portanto, retirou o tucano da mira da operação Lava Jato, ao menos por ora. A decisão que atendeu ao pedido do vice-procurador foi da ministra Nancy, que é a relatora do caso na corte.

Em resposta ao pedido dos procuradores da Força Tarefa, Mariz Maia informou que não encontrou, até o momento, nenhuma vinculação da investigação contra Alckmin com os crimes apurados pela Lava Jato. Os procuradores locais, contudo, poderão solicitar o compartilhamento de provas.

Anúncios

3 comentários

  1. Virou cabaré o Brasil, pqp …..país sem lei na mão de bandidos!!! O que me deixa mais puto é o exército ver tudo isso é ficar calado, o exército é pra ser o guardião do país, tomar conta daquilo que tá errado e da a sociedade brasileira a resposta!!!! Vagabundos desgraçados acobertado pela lei.

  2. A mídia em geral tem o péssimo hábito de pôr um título que nada tem a ver com o corpo do texto.Isso,para vender uma ideia errada dos fatos,já que a maioria tem preguiça de ler o texto!

  3. O STJ é uma privada de casinha. É o tribunal para defender ladrões do erário, as grandes corporações e as oligarquias e vender sentenças.
    É o esconderijo da minoria branca bandida do país.
    Agora mesmo segundo informações arquivou as investigações do Trensalão em São Paulo que envolve Alckmin e o PSDB, o partido mais ladrão do país. Só no Trensalão foi apurado roubalheira de mais de R$ 400 bilhões, imaginem quantos trilhões roubaram desde que tomaram o poder em São Paulo tendo quebrado todo o seu parque industrial no interesse americano.
    Essa Ministra Nancy Andrighi qiamdo Corregedora do CNJ recebeu em novembro/2014 proventos brutos de R$ 672 mil para ficar lá sentadinha e arquivando todas as denúncias contra juízes e membros do Judiciário que segundo o Ministro Dipp em 2010 quando foi Corregedor entrava ao mês mais de 5 mil denúncias.
    Essas criaturas do direito são como profetizou Pascal, cientistas das ciências imaginárias os quais imaginam pela mente mas por faltar espírito não sensibilizam e argumentam então não valoram na dimensão do espírito e nada avaliam. Não diferenciam o certo do errado, o justo do injusto. R$ 400 bilhões é número exposto em uma denúncia com são R$ 400,00 e R$ 400 mil. Eles não valoram no mundo concreto e real são abstratos e irreais, sofistas.
    Todo o Poder Judiciário está comprometido e é um império irreal e perigoso e passou muito do tempo de ser regulamentada a mediação privada para agilizar negociações em litígios e até fazer experimento de engenheiros e meteorologistas que são plenos em espírito para substituir magistrados como ocorreu no mercado de capitais em substituição aos economistas e outros.
    Tirar o poder desse povo, oligarca e defensor das oligarquias, insensato, abstrato, irreal e também corrupto como são os demais poderes constituídos.
    O Brasil foi tomado nos poderes por criaturas bandidas, psicopatas e quadrilheiras e que se blindam mutuamente.

Deixe uma resposta