MP abre inquérito para investigar Alckmin sobre propina de R$ 10 milhões

Publicado por

Alckmin

O Ministério Público de São Paulo abriu nesta sexta-feira (20) um inquérito civil para investigar o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). O inquérito apura suspeita de prática de atos de improbidade administrativa por caixa 2, com o pagamento pelo grupo Norberto Odebrecht de vantagem indevida a Alckmin.

O ex-governador foi apontado por três delatores como recebedor de propina da Odebrecht em caixa 2 nas campanhas de 2010 e 2014. Segundo executivos da empreiteira, o cunhado de Alckmin, Adhemar César Ribeiro, teria recolhido os valores em nome do político. Benedicto Júnior, acusado de fazer parte do departamento de operações estruturadas da empresa, o chamado departamento da propina, disse que, no total, foram destinados R$ 10 milhões de caixa dois às campanhas de Alckmin em 2010 e 2014.

Alckmin foi citado por três delações da Lava Jato por ter recebido R$ 10 milhões.

A portaria do inquérito aberto nesta sexta-feira foi assinada pelos promotores Otávio Ferreira Garcia, Nelson Luis Sampaio de Andrade e Marcelo Milani.

Arnaldo Cumplido era responsável na Odebrecht pelas obras do metrô e relatou que o repasse na campanha de 2014 de R$ 8 milhões tinha uma relação indireta com as obras da linha seis do metrô, a laranja. A Odebrecht fazia parte do consórcio que fez parceria com o governo do estado para realizar as obras.

Sem foro, mas protegido

Alckmin, como governador, tinha foro privilegiado e o caso foi para o Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, no fim de 2017. No dia 6, Alckmin renunciou ao cargo para disputar as eleições presidenciais de outubro e perdeu o foro privilegiado.

Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato em São Paulo pediram, então, à Procuradoria-Geral da República em Brasília para receber o inquérito. Mas a PGR indicou ao Superior Tribunal de Justiça que a suspeita era de crime eleitoral. Por isso, o STJ enviou para a Justiça Eleitoral em São Paulo.

No último dia 11, a ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Nancy Andrighi enviou inquérito contra Alckmin para a Justiça Eleitoral do Estado. Para disputar as eleições de outubro, Alckmin renunciou ao cargo de governador e, portanto, deixa de ter direito ao foro privilegiado.

No dia 12, o advogado de Alckmin defendeu o ex-governador. “Acho que a investigação está sendo feita, é normal que o seja, mas a minha expectativa é que, em breve, tudo seja esclarecido e, se houver culpados, que se puna quem realmente cometeu algum ilícito. mas, em relação ao governador, estamos muito tranquilos”, disse José Eduardo Alckmin.

Curta República de Curitiba
error
Anúncios

Um comentário

  1. O BRASIL, NÃO PODE MAIS ACEITAR “AVENTUREIROS”. NÓS BRASILEIROS VAMOS TER QUE OPTAR PELO CANDIDATO QUE NOS DEBATES DA TV SE APRESENTEM A FICHA LIMPA EXPERIÊNCIA PÚBLICA ADMINISTRATIVA-EXECUTIVA-LEGISLATIVA . NÃO É QUALQUER UM QUE POR TER SIDO ISSO, OU AQUILO QUE IRÁ LEVAR NÓS ELEITORES NA CONVERSA! ESSE CANDIDATO EXISTE. E DESDE JÁ “PODEMOS ” AGUARDAR/// NÃO É POSSÍVEL CORRER O RISCO DE NOVOS OPORTUNISTAS, OU PESSOAS PESSOALMENTE QUALIFICADAS MAS SEM EXPERIÊNCIA E TRANSITO NO MEIO POLÍTICO COM LIBERDADE E PERSONALIDADE RESPEITÁVEL!!!!!!!. POIS, NÃO SENDO ASSIM : O MELHOR É : I N T E R V EN Ç Ã O CÍVICO M I L I T A R :HOJE !!.