Dilma falta a audiência com Sérgio Moro

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos em 1º instância da Operação Lava Jato, remarcou nesta sexta-feira (29) o depoimento da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) como testemunha da defesa do também ex-presidente Lula.

A defesa de Lula informou às 22h de quinta que Dilma não poderia prestar o depoimento devido a “inadiável compromisso profissional”.
Além dela, segundo a Justiça Federal, também prestariam depoimento o ex-governador do estado Tarso Genro (PT), o empresário Jorge Gerdau Johannpeter e Túlio Zamin, que já foi presidente do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul). O primeiro foi dispensado, o segundo falou por videoconferência em São Paulo e o último compareceu.

Anúncios

1 comentário

  1. A SOFRÍVEL FALA DE SÉRGIO MORO
    Fernanda Mambrini Rudolfo – Defensora Pública do Estado de Santa Catarina. Doutoranda e Mestre em Direito pela UFSC. Especialista em Direito Penal e Processual Penal pela EPAMPSC. Diretora-Presidente da Escola Superior da Defensoria Pública de Santa Catarina.

    Ao escrever sobre isso, sei que estou me submetendo à possibilidade de ser achincalhada ou mesmo alvo das piores agressões verbais, coisas que vemos com frequência na internet. Em tempos de críticas sem qualquer fundamento e discursos de ódio, não é fácil fugir da repetição irrefletida de frases de efeito como “o problema do Brasil é a impunidade”. No entanto, vejo-me na obrigação de mostrar um outro lado, que alguns querem esconder, seja por má-fé, seja por ignorância.
    No último dia 25 de junho, o juiz Sérgio Moro esteve em Florianópolis para palestrar em um evento sobre a atuação do sistema de justiça no combate ao crime organizado. Na oportunidade, valeu-se de cerca de uma hora para proferir uma série de informações deturpadas, utilizando um português sofrível.
    Comecemos pelo fim. O magistrado não sabe sequer conjugar o verbo “haver”, que, no sentido de existir, é impessoal e não deve ser flexionado. Esse é apenas um exemplo dos diversos erros cometidos durante sua fala. E isso é digno de críticas por se tratar de alguém que teve todas as condições imagináveis de estudar; que fez graduação, mestrado e doutorado em algumas das melhores instituições de ensino do país. Quando se tratava de Lula, por exemplo, pessoa que cresceu sem qualquer oportunidade, não apenas se criticava como se debochava, como se fosse sua obrigação ser autodidata ou aprender por osmose. Quando vemos pessoas de origem simples falar, sem acesso ao ensino formal, é frequente serem alvo de piadas por parte daqueles que se julgam “finos”, “educados”, “polidos”. Enquanto isso, o juiz Sérgio Moro massacra a língua portuguesa e é ovacionado pela “nobreza”.
    Além disso, deturpou deliberadamente informações para arrancar risadas e aplausos da sua plateia. Por exemplo, ao afirmar que vivemos tempos “curiosos” por haver críticas ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região em virtude de ser muito célere. Ora, tenho certeza de que o juiz não é ingênuo a ponto de acreditar nessa assertiva, mostrando-se tal colocação de absoluta má-fé. Todos sabem que a crítica não se dá em razão de uma celeridade do Tribunal, mas em virtude da seletividade de tal celeridade, que passou o julgamento de Lula na frente de tantos outros apenas para que pudesse iniciar o cumprimento de sua pena, na medida em que o Supremo Tribunal Federal vem – absurdamente, diga-se – relativizando a presunção de inocência. Fosse de Lula, fosse de Aécio, a Justiça é vendada para não ver quem julga e, portanto, também para que todos sejam processados no mesmo ritmo, sem que um seja mais rápido ou mais lento que outro. Curiosamente, alguém viu o processo do Aécio por aí? Nisso, acho que Moro está correto, vivemos mesmo tempos “curiosos”…
    Desejando tornar-se (ou manter-se) um ídolo nacional, entoa mantras de combate à impunidade, de que ninguém está acima da lei (aparentemente, só o próprio magistrado), de uso da prisão preventiva para salvação da humanidade. Enquanto isso, um auditório lotado de membros e servidores do Judiciário e do Ministério Público (o acesso ao evento era restrito) regozijava-se e entrava quase em estado de êxtase. A ideia de punir, de aplicar a força do direito penal – seletivo por natureza – e de afastar o respeito ao devido processo legal confere a muitos um gozo que não são capazes de obter por outros meios. Uma cegueira (moral e deliberada) toma conta de uma plateia elitista e alienada, preocupada unicamente em postar elogios ao palestrante nas redes sociais.
    Enquanto isso, Moro brada o combate à corrupção, recebendo mensalmente seu auxílio moradia que corresponde a mais do que o salário dos professores. Professores cujas greves são criticadas e magistrados que são colocados em pedestais. Reitero: Moro tem mesmo razão, vivemos tempos “curiosos”…

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s