Marcas “Philips, Johnson e Johnson e GE compunham cartel e desvio bilionário da saúde” diz MPF

suspeito-daurio-speranzini-chega-a-sede-da-policia-federal-de-sao-paulo-onde-a-policia-federal-e-o-ministerio-publico-federal-deflagram-na-manha-desta-quarta-feira-04-a-operacao-ressonan

As fraudes na área da saúde fluminense investigadas pela força-tarefa da Lava Jato na Operação Fatura Exposta continuaram mesmo após a prisão de Sérgio Côrtes, ex-secretário e homem de confiança do ex-governador Sérgio Cabral (MDB.)

De acordo com a Lava Jato, um esquema de cartel encabeçado pelo empresário Miguel Iskin, também preso na Fatura Exposta, é responsável por fraudar licitações no Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad) desde 1996.

O grupo criminoso, formado por 33 empresas, fraudava os certames na compra de equipamentos e insumos hospitalares. Algumas das empresas atuavam como laranjas das demais, que se organizavam no chamado “clube do pregão internacional.

A força-tarefa estima que o prejuízo aos cofres públicos chega a R$ 1,2 bilhão –mesmo valor que foi bloqueado pela Justiça, a pedido do MPF, em relação aos bens dos investigados.

Patrick Ignaszevski – República de Curitiba

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s