Renan Calheiros resolve usar o twitter para atacar Moro, Dallagnol, Dodge e Lasier

Publicado por

Senador reeleito, Renan Calheiros (MDB-AL) tem se destacado ao utilizar as redes sociais para atacar órgãos públicos e políticos. Um alvo frequente do emedebista é seu colega de casa, senador gaúcho pelo PSD, Lasier Martins.

Renan utilizou sua conta no Twitter para defender o médium João de Deus, acusado de abuso sexual e que teve prisão decretada no último dia 14. O senador afirmou que João de Deus não é um “Lasier qualquer“.

As desavenças entre os 2 é motivada pelo movimento do senador gaúcho para não permitir que Renan seja eleito presidente do Senado em 2019. Em 27 de novembro, o bate-boca foi parar no plenário. O emedebista afirmou que continua torcendo para que o processo contra Lasier no Conselho de Ética do Senado avance.

Eu torço para que a proposta do Lasier ande e torço para que ande também a acusação a que ele responde no Conselho de Ética de que agrediu a sua mulher. Eu era presidente do Senado Federal, e a única solidariedade que eu tive, a coerência me obrigava a ter, foi apoiar a sua esposa, principalmente quando ela o expulsou do apartamento funcional do Congresso Nacional, ela contou com a minha total solidariedade“, disse.

No ultimo dia 12, Lasier protocolou no STF um mandado de segurança, com pedido de liminar, para que a eleição para a presidência da Casa tenha voto aberto. A votação será em fevereiro de 2019, mês em que tem início a próxima legislatura.

No documento o senador gaúcho alega que “a deliberação por voto secreto para a eleição da Mesa do Senado ofende seu direito constitucional líquido e certo ao adequado exercício do mandato parlamentar, pois a Constituição Federal, ao não prever o voto secreto para a hipótese, exige que a votação seja aberta”. Segundo o congressista, o povo precisa saber com transparência as decisões tomadas por seus representantes.

A ação teve resposta de Renan, novamente pelo Twitter. O alagoano afirmou que o congressista está “espancando” a Constituição.

O senador gaúcho Lasier Martins –por sugestão do senador cearense Tasso Jereissati– entra com pedido no STF para impor voto aberto na eleição de presidentes da Câmara e do Senado. Em português claro, é 1 parlamentar espancando a Constituição ao pedir a intervenção de 1 Poder no seu próprio Poder para constranger seus colegas. É assim que a roda gira“, afirmou.

O pedido de Lasier para que o voto seja aberto tem a intenção de inibir senadores de votar em políticos antigos que carregam denúncias. Na semana passada, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, incluiu novos e-mails de Marcelo Odebrecht no inquérito que investiga o senador Renan Calheiros e o filho dele, o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), por corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo Dodge, as informações contidas nos e-mails mostram “atuação concertada” de Renan e de Romero Jucá (MDB-RR) para beneficiar a empreiteira.

Um dia depois, Renan se pronunciou novamente pelas redes sociais. Renan negou as acusações e ainda falou sobre o uso de dados, segundo ele, já desmentidos para acusá-lo sobre o recebimento de propina.

Na nota divulgada, diz que a procuradora-geral não pode permitir que o MPF (Ministério Público Federal) repita a atitude e se refere aos procuradores como “monstros”.

Pode o MPF continuar vazando o mesmo fato sobejamente desmentido? Que o Gurgel e seu grupo faziam isso, eu já sabia. Que o Janot e sua turma faziam isso, eu já tinha visto. Mas, Raquel Dodge não pode permitir que o MPF, esses monstros, sob sua direção, façam o mesmo“, escreveu o senador.

O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública também foi citado pelo senador. Renan Calheiros criticou Sergio Moro por querer criar secretarias na pasta por meio de medidas provisórias ou decreto regulamentar para evitar “conversar com o Legislativo”. De acordo com o emedebista, decreto regulamentar sem lei é “decreto-lei”, que não existe desde a promulgação da Constituição em 1988.

O senador também criticou o aumento do salário do judiciário, em especial, da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de Moro e do procurador Deltan Dallagnol.

Nesta semana, não lembro quem, quis saber o que eu penso do reajuste dos Poderes no final da legislatura. O buraco é bem maior, segui respondendo. Continuam pagando salários de 150, 200, 300 mil reais Brasil afora. A que pretexto? Não importa, eles dizem que é salário. De que fonte, de onde vem o dinheiro? Também não importa, continuei respondendo, até o FUNJURIS serve“, escreveu.

Conforme Renan, a procuradora “não pode ceder ao fétido corporativismo e patrimonialismo de setores do Ministério Público Federal e do Judiciário”. Dodge recorreu da decisão do ministro do STF, Luiz Fux, que revogou o auxílio-moradia de todas as carreiras jurídicas.

O alagoano criticou ainda os benefícios que magistrados recebem, além do auxílio-moradia.

Na prática, enfatizei, são mais de 20 penduricalhos. Talvez, esse auxílio-moradia para marido, esposa, mesmo tendo casa, seja mais defensável, por exemplo, do que a ajuda para educação que o contribuinte paga aos filhos deles até 25 anos, mesmo que seja apenas para aprender inglês.”

O infelizmente reeleito senador aprendeu a usar redes sociais para atacar quem possa o atingir, bem ao estilo coronel interiorano. Joga pedras em todo mundo mas se esquece que tem o telhado com o vidro bem frágil.

Curta República de Curitiba
error
Anúncios

5 comentários

  1. Um sujo falando e ainda se acha no direito de crítica quem está no lado certo forarenan ecoloque o O senador Alvos dias pra disputa a presidência do senado , e aos demais.senadores estamos fe olho neles o povo que elegeram eles nós estamos de olho chega de impunidade nesse Brasil..