Flávio Bolsonaro no STF: Desinformação da imprensa ou fake news proposital?

Publicado por

A grande mídia atacou novamente. Em menos de 20 dias de governo, prestou mais um desserviço ao País ao divulgar que o senador eleito Flávio Bolsonaro teria ingressado no STF com pedido para suspender as investigações em andamento contra seu ex-assessor, Sr. Fabrício Queiroz.

A divulgação da fake news foi tão eficiente que novamente gerou tensões entre apoiadores do próprio governo e alguns blogs da direita que se apressaram em condenar o político.

Mas o RC tem advertido: tenham paciência. Quando uma notícia da grande mídia vier à tona, espere, pacientemente, uns 3 dias, no mínimo. Ou vá direto na fonte primária da informação. É o que fizemos.

A verdade está nos autos: Flavio Bolsonaro não pediu a suspensão da investigação contra seu ex-assessor Fabrício Queiroz, como foi mentirosamente divulgado, até mesmo em manchetes.

O senador eleito entrou com pedido de medida liminar contra uma investigação que está sendo feita pelo Ministério Público do Rio de Janeiro contra ele próprio, Flávio Bolsonaro, de maneira ilegal, à revelia da justiça e do próprio investigado. Bolsonaro teve seu sigilo bancário quebrado desde julho de 2018 por parte do Ministério Público do Rio de Janeiro sem a devida autorização judicial, como manda a Constituição Federal.

O MPRJ utilizou-se do COAF para criar um “atalho” e se furtar ao controle do Poder Judiciário, realizando verdadeira burla às regras constitucionais de quebra de sigilo bancário e fiscal, num verdadeiro atentado ao Estado Democrático de Direito.

Esse procedimento torna qualquer investigação eivada de nulidade. É a chamada teoria da árvore envenenada (do direito norte-americano: The fruits of the poisonous tree). Além disso, o próprio investigado não tinha conhecimento formal de que estava sendo investigado, o que confere a esse procedimento investigatório ilegal características de perseguição política pura e simples, semelhante ao conhecido padrão da esquerda petista de elaborar dossiês com o objetivo de perseguir seus inimigos.

Em resumo: Flavio Bolsonaro não entrou no STF com pedido para suspender a investigação contra o Sr. Fabrício Queiroz. Ele ingressou na suprema corte para defender-se contra uma ilegalidade que vem sendo cometida contra ele por parte do Ministério Público do Rio Janeiro. Uma perseguição sem precedentes.

Mas o pior dessa história é que parte da direita ainda não aprendeu a conviver com a grande mídia. Não podemos cair tão rapidamente em manchetes sensacionalistas e se apressar em busca de likes mal compreendidos.

Temos sim que prevenir que o brasileiro volte a raciocinar com aquele senso comum estúpido cujo auge foi a virada do século. A eleição do presidente Bolsonaro foi como uma divisão de blindados 100Km adentro das linhas inimigas. Elas ficam no caos, mas podem se reorganizar e atacar os flancos. Eles são mais, mais equipados e experientes. Cabe a nós, da direita, proteger o flanco e manter a desestabilização do inimigo, até que o presidente os isolem definitivamente. E isso não se faz com direita batendo na direita, de forma histérica.

Isso não quer dizer que a RC não entenda que toda ilegalidade tem que ser investigada. Mas a investigação precisa e deve ocorrer, obviamente, nos termos do devido processo legal.

No entanto, até esse momento não houve qualquer evidência material inequívoca produzida pela acusação que viesse a dar indícios sólidos de quebra de decoro ou ilegalidade cometida por Flavio Bolsonaro.

O que houve desde o início desse episódio foi o vazamento de informações para a grande imprensa por parte do COAF, que sequer esclareceu a métrica utilizada para definir o que a instituição entende por movimentação atípica na conta do ex-assessor e qual o suposto envolvimento, se é que houve algum, do deputado Flávio Bolsonaro com essa suposta atipicidade.

 

Curta República de Curitiba
error
Anúncios

14 comentários

  1. Vou deixar claro, acredito na intenção do presidente Bolsonaro em querer moralizar o Brasil. Prometeu indicar seus ministros levando em conta sua competência e não por ser cumpanheiro ou uma forma do toma lá da cá. As atitudes iniciais, suas e de seus ministros me agradam, portanto dou meu irrestrito apoio. Quero um Brasil que me de orgulho de ser brasileiro e acredito que meu desejo está sendo atendido.
    Não sei quem é autor do texto acima, pois tenho restrições. Por um lado vejo semelhança com o que a petralhada dizia e diz, a justiça quer prejudicar, porque levanta o caso Flávio Bolsonaro/Fabrício Queiroz. Esta se aventando até tratar-se de fake-news. Temos que encarar que esse assunto esta tomando um rumo esquisito. Levantou-se dúvidas quanto à movimentação bancária do Sr. Fabrício. Este foge de depoimentos. O ex-deputado Flávio tem na sua conta bancaria valores que também levantam dúvidas. Ele entra agora com pedido no Supremo. Já ocorreu, e acredito que ainda ocorre,de políticos eleitos, porque a lei permite, contratarem assessores, mesmo que não sejam necessários, para com essa possibilidade engordar seus proventos, dando aos que nomeiam um bônus.
    Bolsonaro prometeu eliminar todas as falcatruas. Seu amigo e seu filho estão na berlinda. Tem, portanto, a obrigação, por mais doído que venha possivelmente acontecer, tornar claro esse assunto.
    Não deve deixar dúvidas no ar. Não deve frustrar os que acreditam nele.

    1. Quanta falta de inteligência. Propina depositada seguidamente em conta corrente??? Ao alcance de qualquer gerente de agência??? Ainda não aprenderam que propina vem em mala, cueca, meia, apto em nome de laranja, doleiros para transferência para o exterior, dinheiro vivo guardado em armários, em apartamentos, debaixo da cama etc. Nunca, nunca se deposita em conta corrente por motivos óbvios. Ô povinho ignorante!!!

  2. Isso não esconde o fato das fugas das audiências no MP, por parte do próprio Flávio Bolsonaro e dos outros envolvidos no caso. A Verdade é pura. E quem está com ela, não tem medo de nada e nem protela esclarecimentos. Na minha opinião, estão apenas ganhando tempo em busca De uma saída. Não pode haver cegueira do lado de cá também. Para mim, estava tudo muito claro.

  3. Quando era o Lula, era tudo verdade, mas quando é filho do Bixo, é tudo mentira. Estranho não acha? Não tô aqui pra dizer se Lula roubou o filho do mito pode. A justiça é para todos, o Brasil mudou.

  4. Na realidade o que dá contexto de perseguição política é o vazamento do COAF, para a mídia ávida de assassinar reputações, de insinuações de movimentações atípicas sem nenhuma clareza de qual é a atipicidade.
    Em paralelo, um MPRJ já sabidamente aparelhado de governos anteriores que promoveram a impunidade e o crescimento desenfreado da criminalidade e do narcotráfico, ao mesmo tempo que dizendo que Flávio Bolsonaro não era investigado, abrindo seu sigilo bancário sem a devida autorização da Justiça desde 2018.
    Os justiceiros xiitas que compram uma condenação a priori, sem aguardar todas as cartas na mesa, fazem o mesmo papel sujo que essa esquerda socialista progressista sempre fez e dão um tiro no próprio pé!

  5. Essa situação mostra muito bem como a mídia e os esquerdistas são mentirosos compulsivos…. vivem de boatos contra os que não compartilham com suas roubalheiras.

  6. Tudo seria mais simples caso o Queiroz tivesse explicado tudo desde o início, sem passar semanas fugindo da imprensa e ao final vindo com uma história fantástica de que ‘faz dinheiro’ com carros. Flávio tampouco ajudou ao não anunciar quando daria um depoimento. Tudo isto é comportamento de quem tem algo a esconder, vindo justamente de quem iria ‘acabar com tudo isto que está aí, tá OK?’. Não convenceu, e deixa cada vez mais a impressão que era mesmo o uso de laranjas para abocanhar dinheiro público. Para piorar, uma personal trainer de artistas alocada no gabinete do pai, em Brasília! Ora, tenham a santa paciência!

  7. De Estado para Estado da Federação é preciso antes de tudo entender qual a lógica dos vazamentos seletivos apenas em relação a uma unica pessoa e seu assessor! Alguém ai sabe o nome de algum outro assessor ou politico investigado no âmbito da ALERJ?