2019-01-29t122426z-1573666247-rc18dea68e00-rtrmadp-3-vale-sa-disaster-1-

Após a tragédia em Mariana (MG), o Centro Internacional de Cooperação Industrial da Rússia (CIIC Unido), uma Agência de Desenvolvimento Industrial da Organização das Nações Unidas, com sede em Viena, entrou em contato com autoridades brasileiras, e tentou fazer uma parceria para monitorar outras barreiras de rejeitos em Minas Gerais que tinham potencial risco de desabamento.

A ideia era implementar uma espécie de sonda, com tecnologia russa, que é acoplada na estrutura da barragem e detecta qualquer tipo de imperfeição, desde micro rachaduras até estruturas com grande potencial de rompimento, o que poderia ter evitado esta nova tragédia em Brumadinho – MG.

Em novembro de 2016 a proposta foi apresentada durante uma reunião entre Marcellus Ferreira Pinto (no vídeo abaixo), consultor da Unido no Brasil, e Leonardo Deptulski (na época filiado ao PT), na época prefeito de Colatina (ES) e também presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce.

Veja o vídeo que o advogado Marcellus Ferreira Pinto mandou em primeira mão para a página República de Curitiba.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: