População de Brasília começa a impor limites aos abusos do STF

Publicado por

Secretaria de Segurança Pública do DF atendeu ao apelo de ativistas, que denunciaram o avanço do STF sobre um espaço destinado exclusivamente ao usufruto da população.

Nesta terça feira, 16 de abril, foram recuadas as grades instaladas de forma irregular pela segurança do STF na Praça dos Três Poderes.

As grades haviam sido instaladas após a via que delimita onde termina o pátio do STF e inicia a praça, espaço projetado e construído originalmente para o usufruto da população.

A retirada das grades ocorreu após contato estabelecido por ativistas de Brasília com a Secretária de Segurança Pública do DF, que, ciente de suas responsabilidades e da irregularidade do ato abusivo por parte do STF, prontamente entendeu a solicitação feita pela população.

O recuo das grades foi comemorado pelos ativistas, que vinham acusando nas redes sociais a “grilagem de terra” cometida pelos representantes máximos do poder judiciário.

O Ministério Público já havia determinado a retirada das grades do local, porém a orientação não foi acatada pelo STF, que como de hábito demonstrou sua falta de respeito com a coisa pública e as regras legalmente estabelecidas.

Que o evento de hoje sirva de exemplo para os demais poderes, o legislativo e o executivo, que faz tempo vêm se curvando perante atos arbitrários e desprovidos de legalidade  cometidos por alguns dos membros da Suprema Corte, em especial os ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Alexandre de Moraes e Dias Toffoli, atual presidente do STF.

Apesar desta vitória parcial, a Justiça ainda continua aprisionada.  Esperemos que seja por pouco tempo, até que os delinquentes travestidos de ministros sejam destituídos e conduzidos ao xadrez, local destinado aos que desrespeitam a lei e a ordem.

Parabéns aos que se empenharam para o recuo das grades do STF e a devolução do espaço invadido à população de Brasília.

Vejam novamente quem está contra nós e a favor dos corruptos

Luiz Fernando Bandeira de Mello 

Curta República de Curitiba
error
Anúncios