Ministro Barroso enaltece a Lava Jato

Publicado por

O ministro do STF – Supremo Tribunal Federal, Luis Roberto Barroso, criticou de forma veemente os colegas da Corte, pela intenção astuta de utilizarem as mensagens de Telegram trocadas entre os membros da força-tarefa da Lava Jato. Considerando que o material é fruto de atividade hacker, que por si só se configura crime por ser prova ilícita, Barroso mostrou-se indignado com a postura incoerente de seus colegas, e os lembrou que pela Justiça baseando-se em nossas leis, é estritamente proibido a utilização desses conteúdos.

Sem citar os respectivos nomes de outros magistrados do STF, Barroso disparou, “é muito impressionante como os garantistas à brasileira se aproximam pela prova ilícita, produto do crime”.

Não há dúvida alguma que foi uma clara alusão a um possível movimento de Gilmar, noticiado pela Folha de São Paulo, de tentar validar as mensagens imputadas a Lava Jato.

“A Constituição expressamente proíbe a utilização de provas ilícitas em processo de qualquer natureza”, afirmou o Ministro Barroso. É inaceitável utilizá-las (as mensagens) para perseguir pessoas, pior ainda sendo pessoas que lutam para o fim da corrupção como os brasileiros vem acompanhando e comemorando os trabalhos realizados pelos procuradores que até aqui, desempenham um belíssimo trabalho frente as Operações da Lava Jato, concluiu Barroso.

Literalmente defensor da Lava Jato, Barroso disse que, “não é fácil nem simples a tarefa de fazer com que o Brasil deixe de ser o país em que o crime compensa, os bandidos perseguem os mocinhos e o mal vence no final. Mas, essa é a missão da nossa geração. Às vezes parece que somos minoria, mas a história está do nosso lado.”

Júnior Santos – República de Curitiba.

Curta República de Curitiba
error
Anúncios